sábado, 28 de março de 2020

E aí gente? Alguns times do Vale do Aço cogitam voltar aos gramados no próximo final de semana

Futblog do Sorriso
Uma situação nada legal que atravessa o país. O coronavírus (covid-19) virou ao avesso a vida das pessoas e em se tratando de futebol não é diferente.

#SOSFutebolBrasileiro Jogadores se unem para que CBF olhe por todos neste período de crise

Foto: Lucas Figueiredo/CBF
O caos que se instala no país devido à pandemia do novo coronavírus atinge também a classe dos jogadores de futebol. Ao contrário do que se pensa, a porcentagem dos atletas profissionais que

Fabriciano reabre comércio, mas caça alvará de supermercado que fez promoção aglomerando clientes

Divulgação/PMCF
Após decretar situação de calamidade pública por causa do novo coronavírus, a cidade de Coronel Fabriciano, na região do Vale do Rio Doce, decidiu reabrir o comércio a partir deste

Coronavírus: números de casos em investigação em Ipatinga já passa de mil

Confira os números atualizados: Belo Oriente tem 51 casos suspeitos de coronavírus


MP pede que PM apreenda carros que participarem de carreata contra o isolamento em Minas

MP pede que PM apreenda carros que participarem de carreata contra o isolamento em Minas


Reprodução
Os ministérios públicos Federal (MPF) e de Minas Gerais (MPMG) protocolaram recomendação para que a Polícia Militar de Minas Gerais impeça a realização

sexta-feira, 27 de março de 2020

Por meio de seu site oficial, Atlético destaca a Nota Oficial da Comissão Nacional de Clubes

Reprodução
Confira a nota da Comissão Nacional de Clubes, divulgada na última quinta-feira (26/3):

A Comissão Nacional de Clubes (“CNC), órgão estatutário da CBF, de atuação independente, representando os clubes das Séries A, B, C e D do futebol brasileiro, informa que:

Realizou nesta quinta-feira, dia 26, com a representação de 30 clubes de todas as séries, por videoconferência, uma nova reunião para deliberar sobre a contraproposta apresentada pelas entidades representativas dos atletas, diante da suspensão das competições por tempo indeterminado.

Levando em consideração o cenário de dificuldades que permanece no Brasil a partir das previsões das autoridades sanitárias, bem como a Medida Provisória editada pelo Governo Federal (Art. 6, 9, 11 e 12), os clubes não aceitaram a propostas feitas pelos atletas e de forma unânime resolveram e decidiram o seguinte:

1. Concessão de Férias Coletivas de 20 dias a todos os atletas, no período compreendido entre os dias 1 de abril e 20 de abril de 2020, em consonância com a Medida Provisória 927, de modo que os clubes - e somente eles - arcarão integralmente com a manutenção das atividades futebolísticas durante tal período;

2. Garantia aos atletas do período de 10 dias restantes de férias no final do ano de 2020 ou no início de 2021, adequadas ao calendário que se desenhará após o retorno da paralisação;

3. Negociar individualmente com seus atletas e demais funcionários do departamento de futebol no que tange a outras medidas que possam ser adotadas no período de paralisação;

4. Seguir promovendo reuniões e debates ao longo dos próximos 20 dias para que possam implementar novas medidas em caráter de emergência caso seja necessário;

5. Aguardar novas medidas dos Governos Federal e Estaduais diante do estado de calamidade pública, para avaliar possíveis reduções em remunerações que possam ser estabelecidas;

A CNC esclarece ainda, que já enviou este comunicado à FENAPAF para que repasse aos sindicatos e aos atletas.

A CNC segue acreditando que o acordo coletivo a nível nacional seria o caminho ideal para a solução da grave situação econômica, mas infelizmente não foi possível, razão pela qual, os clubes optaram por manter sua posição de conceder férias a todos, preservando o calendário do futebol brasileiro, os regulamentos e consequentemente as receitas oriundas das competições, que fazem parte da base de remuneração de todos os profissionais do futebol.

Três cidades em Minas sinalizam reabrirem seus comércios nos próximos dias

Foto: Prefeitura de Itabira
Conforme já destacado pelo FUTBLOG DO SORRISO, algumas cidades já sinalizaram que irão reabrir o comércio nos próximos dias em Minas Gerais.

Devido a pandemia do coronavírus, o comércio vem sofrendo drasticamente com a redução de vendas. As mais variadas cidades, por meio de decreto, fizeram com que o comércio precisasse de funcionar de forma muito diferente da convencional.

As duas primeiras a sinalizarem a reabertura de seus comércios são: Varginha, que fica no Sul de Minas, e Coronel Fabriciano, na região do Vale do Aço. A próxima cidade a reabrir o comércio poderá ser Itabira, de acordo com a informação do repórter Euclídes Eder.

“Acredito que haverá até promoções como saldão, mas vai depender de cada loja. A finalidade é atrair novamente os clientes. Terça-feira vai acontecer nova reunião com representantes da prefeitura, a pedido deles, mas o ideal é que seja antecipada, porque o movimento ganha cada vez mais força, e podem não aguardar, para decidirem reabrir seus estabelecimentos,” segundo disse o presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Itabira, Maurício Martins.

Publicidade 

NOTA DO CRUZEIRO: clube concederá férias de 20 dias para os atletas profissionais e membros da comissão técnica

Foto: Igor Sales/Cruzeiro/Divulgação
Em consonância com os clubes que fazem parte da Série B do Brasileiro e após uma reunião realizada na tarde dessa quinta-feira, 26 de março, com a Comissão Nacional de Clubes, o Cruzeiro Esporte Clube informa as ações que tomará nos próximos dias, em função da paralisação dos campeonatos por causa da pandemia do coronavírus.

O Clube celeste concederá férias de 20 dias para os atletas profissionais e membros da comissão técnica a partir de 1º de abril.

Nos últimos dias o Cruzeiro já havia divulgado que está concedendo férias para a maior parte de seus funcionários, e somente permanecerão em atividade aqueles que não podem se ausentar no momento.

A partir do dia 15 de abril, se não houver uma expectativa de retorno dos campeonatos, outras medidas serão deliberadas e poderão ser tomadas pelo Clube.

Após Fabriciano, Varginha discute retorno do comércio para a próxima segunda-feira

Divulgação/ACIV
A Prefeitura de Varginha, no Sul de Minas, está reunida, na tarde desta sexta-feira (27), para avaliar a possibilidade de reabertura do comércio na cidade, solicitada nessa sexta-feira (26) por entidades locais do setor. Se aprovada, os lojistas poderão reabrir as portas a partir de segunda-feira (30), desde que cumpram medidas de prevenção à propagação da Covid-19. Em Coronel Fabriciano, no Vale do Rio Doce, a prefeitura liberou o retorno nessa quinta, com regras.

Em Varginha, as lojas estão fechadas desde segunda-feira (23), quando foi publicado um decreto municipal para a suspensão das atividades. De acordo com a prefeitura, ainda não há definição sobre o pedido de reabertura, que foi recebido na noite dessa quinta-feira. Em conformidade ao decreto, o comércio só poderá reabrir caso haja uma liberação da administração municipal.

Caso ocorra a reabertura, os lojistas deverão cumprir uma série de medidas (veja todas abaixo) para a prevenção ao coronavírus. Dentre elas, estão o horário reduzido de funcionamento, a limitação da quantidade de pessoas dentro de cada loja, a disponibilização de álcool em gel ou local para lavação de mãos para clientes e colaboradores, além de outras.

Entidades avaliam positivamente o isolamento

O ofício pedindo a reabertura do comércio foi discutido e assinado, nessa quinta, durante reunião com as direções da Associação Comercial de Varginha (Aciv), do Sindcomerciários, do Sindicato do Comércio Varejista de Varginha (Sindvar), do Sindicato Empresarial de Hospedagem e Alimentação de Varginha (Sehav) e do Via Café Garden Shopping.

De acordo com a Aciv, todos os representantes presentes avaliaram como positiva a decisão de fechar o comércio pois garantiu que fosse evitada a proliferação do coronavírus, mantendo baixos os casos suspeitos da Covid-19. A cidade não tem quadros clínicos confirmados para a doença.

No entanto, em reunião, foi discutida a possibilidade de reabertura gradual do comércio, respeitando regras que não comprometessem o combate ao coronavírus. Caso a reabertura seja aprovada pela administração municipal, a diretoria da Aciv, juntamente com as demais entidades citadas, comprometeu-se a reunir-se com a prefeitura para reavaliar as medidas.

"Apesar de pedir essa reabertura para o prefeito em exercício, sabemos que existe um decreto do Governo do Estado que deverá ser revogado, entretanto, cabe a nós, nos posicionarmos nesse momento de grave crise, tentando sempre minimizar os impactos", afirmou o presidente da Aciv, Anderson de Souza Martins.

Ainda conforme a Aciv, a solicitação busca valorizar os comerciantes que precisam da renda para manter os negócios e os funcionários das lojas, que estavam muito ansiosos com possíveis demissões em massa. "Ao mesmo tempo procurou estipular regras para que a saúde das pessoas fosse preservada", finalizou.

Leia abaixo as sugestões para reabertura do comércio, conforme publicado pela Aciv:

I – Reabertura de todas as lojas do comércio de Varginha à partir desta segunda, dia 30 de março;

II – Horário de funcionamento das lojas do centro da cidade das 10h às 17h, para evitar aglomerações nos ônibus circulares;

III – Horário de funcionamento das lojas do Shopping das 12h às 20h, para evitar aglomerações nos ônibus circulares;

IV – Todas as lojas deverão seguir regras, limitando a quantidade de pessoas dentro das lojas e para isso haverá um cartaz na porta com o número de pessoas que poderão estar dentro do estabelecimento;

V – As pessoas dentro das lojas deverão ficar a um metro de distância uma da outra para manter-se em segurança;

VI – Todos os estabelecimentos comerciais deverão disponibilizar aos clientes e colaboradores o álcool gel para higienização ou local para lavar as mãos com água e sabão;

VII – Os restaurantes deverão acomodar as mesas e cadeiras respeitando a distância mínima de 1,5 metros entre as pessoas como medida de segurança;

VIII – Os comerciantes deverão liberar para ficar em casa, os colaboradores que estão no grupo de risco, ou seja, acima de 60 anos ou com doenças, inclusive resfriados;

IX – Todos os vendedores das lojas deverão usar máscaras para possibilitar proteção aos clientes que serão atendidos;

X – Caberá a ACIV divulgar que o comércio está aberto e que sigam as regras para o bom recebimento do cliente preservando a saúde;

XI – Caberá a Prefeitura de Varginha, através do setor de posturas, fiscalizar os estabelecimentos para ver se todos estão cumprindo as regras estabelecidas;

XII – O empresário deverá possibilitar o revezamento entre os funcionários, para evitar aglomerações;

XIII – Em uma semana o comitê se reunirá novamente para reavaliar se o comércio poderá voltar a funcionar em horário normal, permanecer com horário reduzido ou até mesmo voltar a ser fechado, dependendo dos números de evolução da doença.

(Hoje em Dia)

Número de casos suspeitos do coronavírus em Belo Oriente volta a crescer. Já são 48.

Divulgação

Prefeitos querem responsabilização de Bolsonaro por fim de isolamento

Frente Nacional de Prefeitos questiona Bolsonaro se governo vai orientar Estados e municípios a suspenderem as restrições de convívio social


Foto: Alan Santos/PR/Getty Imagens
Em carta ao presidente Jair Bolsonaro, prefeitos questionam o governo federal sobre a campanha “O Brasil não pode parar” e ameaçam ir à Justiça para responsabilizar o chefe do Planalto por consequências da mudança no isolamento social durante a pandemia da covid-19.

O governo federal lançou uma campanha chamada “O Brasil não pode parar” para defender a flexibilização do isolamento social. A iniciativa é parte da estratégia montada pelo Palácio do Planalto para divulgar ações de combate ao novo coronavírus, ao lado de medidas que o presidente Bolsonaro considera necessárias para a retomada econômica.


Em carta, a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) questiona Bolsonaro se o governo vai orientar Estados e municípios a suspenderem imediatamente as restrições de convívio social – e se a União assumirá as responsabilidades que cabem aos governos locais, como atendimento direto à população.


Pelo Brasil, prefeitos e governadores vêm adotando medidas restritivas, como fechamento de escolas e estabelecimentos comerciais, atitude criticada pelo chefe do Planalto.


“A depender da resposta do governo federal ao presente ofício, pois o posicionamento até o momento tem sido dúbio e gerado insegurança na população, não restará outra alternativa aos prefeitos se não recorrer à Justiça brasileira com pedido de transferência ao presidente da República das responsabilidades cíveis e criminais pelas ações locais de saúde e suas consequências”, diz o documento, assinado pelo presidente da FNP e prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB).


As perguntas da FNP a Bolsonaro


1. O Governo Federal orienta os entes subnacionais a suspender imediatamente as restrições de convívio social? Caso positivo, por meio de qual instrumento oficial?


2. Caso o convívio social seja suspenso, há previsão de diálogo federativo para a construção de uma estratégia para concretizar tal medida?


3. Quais as evidências científicas foram consideradas para motivar a mudança repentina no posicionamento do Governo Federal quanto às medidas de isolamento social?


4. Caso o Governo Federal suspenda a contenção social, o que poderá levar ao colapso do Sistema Único de Saúde (SUS), o Governo Federal assumirá todas as responsabilidades da Atenção Básica, Média e Alta complexidades, incluindo todos os atendimentos? Como estaremos na contramão do que indica e recomenda a OMS, o Governo Federal assumirá as responsabilidades de todo o atendimento à população?


(Estadão Conteúdo e Exame)

Indústria automotiva do Brasil para completamente com pandemia do coronavírus

Anfavea diz que as 65 fábricas brasileiras estão ou ficarão com a produção suspensa por conta da pandemia.


Divulgação
Todas as 65 fábricas de carros, caminhões, ônibus e máquinas agrícolas do Brasil estão ou ficarão paradas como reflexo do avanço do novo coronavírus, segundo a Anfavea, a associação das fabricantes.

O levantamento da Anfavea não inclui motos. No entanto, Honda e Yamaha, as duas maiores empresas do setor, que têm mais de 90% do mercado, já anunciaram paradas em suas fábricas, localizadas em Manaus.

As medidas foram tomadas individualmente pelas empresas, e levam em consideração dois fatores importantes: a necessidade do isolamento e do distanciamento social e a queda na demanda por veículos.

Como muitas concessionárias estão fechadas, não há necessidade de continuar produzindo. Além disso, a própria Anfavea estimava, em fevereiro, que o estoque nas lojas e pátios de fábricas era suficiente para 37 dias.

Vale ressaltar, porém, que a paralisação das fábricas de veículos não é um fenômeno brasileiro. Várias fabricantes têm adotado medidas semelhantes para tentar conter o avanço do coronavírus em outros países.

Veja abaixo as fabricantes que anunciaram a interrupção na produção de veículos no Brasil.

Automóveis

Em janeiro e fevereiro, o segmento mais volumoso dessa indústria produziu quase 400 mil veículos. As 34 fábricas ficarão paradas até meados de abril.

Fábricas de automóveis paradas

Fabricante Cidade
Audi São José dos Pinhais (PR)
BMW Araquari (SC)
Caoa Chery Jacareí (SP)
Caoa Hyundai Anápolis (GO)
Chevrolet São Caetano do Sul (SP)
Chevrolet São José dos Campos (SP)
Chevrolet Mogi das Cruzes (SP)
Chevrolet Gravataí (RS)
Chevrolet Joinville (SC)
FCA - Fiat Chryser Betim (MG)
FCA - Fiat Chrysler Goiana (PE)
FCA - Fiat Chrysler Campo Largo (PR)
Ford Camaçari (BA)
Ford Taubaté (SP)
Ford/Troller Horizonte (CE)
Honda Sumaré (SP)
Honda Itirapina (SP)
Hyundai Piracicaba (SP)
Jaguar Land Rover Itatiaia (RJ)
Mercedes-Benz Iracemápolis (SP)
Mitsubishi/Suzuki Catalão (GO)
Nissan Resende (RJ)
PSA - Peugeot Citroën Porto Real (RJ) - 2 fábricas
Renault São José dos Pinhais (PR) - 4 fábricas
Toyota São Bernardo do Campo (SP)
Toyota Indaiatuba (SP)
Toyota Porto Feliz (SP)
Toyota Sorocaba (SP)
Volkswagen São Bernardo do Campo (SP)
Volkswagen Taubaté (SP)
Volkswagen São Carlos (SP)
Volkswagen São José dos Pinhais (SP)

Fonte: Fabricantes

Caminhões e ônibus

Até agora, Mercedes-Benz, Volvo, Volkswagen, Daf, Iveco e Agrale detalharam os planos de paralisação na produção de caminhões e ônibus no Brasil. A Scania, porém, não informou o período em que sua unidade de São Bernardo do Campo (SP) ficará sem operar.

Entre janeiro e fevereiro, foram produzidos mais de 16 mil caminhões e ônibus no Brasil.

Fábricas de caminhões e ônibus paradas

Fabricante Cidade
Agrale Caxias do Sul (RS) - 2 fábricas
Daf Ponta Grossa (PR)
Iveco Sete Lagoas (MG)
Mercedes-Benz São Bernardo do Campo (SP)
Mercedes-Benz Juiz de Fora (MG)
Mercedes-Benz Campinas (SP)
Scania São Bernardo do Campo (SP)
Volkswagen/Man Resende (RJ)
Volvo Curitiba (PR)

Fonte: Fabricantes

Máquinas agrícolas e de construção

O setor de máquinas agrícolas e rodoviárias produziu, em janeiro e fevereiro, pouco mais de 6 mil unidades. Entre as fabricantes, a CNH Industrial, dona das marcas Case, New Holland e Iveco suspendeu os trabalhos de suas 7 fábricas no Brasil, assim como a John Deere, que paralisou a produção desde o dia 25 de março as atividades em 6 fábricas no país.


Fábricas de máquinas agrícolas paradas

Fabricante Cidade
Agrale Caxias do Sul (RS)
AGCO Canoas (RS)
AGCO Santa Rosa (RS)
AGCO Ibirubá (RS)
AGCO Mogi das Cruzes (SP)
Caterpillar Piracicaba (SP)
Caterpillar Campo Largo (PR)
CNH Industrial Curitiba
CNH Industrial Contagem (MG)
CNH Industrial Piracicaba (SP)
CNH Industrial Sorocaba (SP)
John Deere Horizontina (RS)
John Deere Montenegro (RS)
John Deere Catalão (GO)
John Deere Indaiatuba (SP)
Komatsu Suzano (SP)
Komatsu Arujá (SP)
Komatsu Pinhais (PR)
Volvo Pederneiras (SP)

Fonte: Fabricantes

(G1 - Auto Esporte)

Rio reabre parte do comércio nesta sexta-feira; veja a lista

Intenção é estimular compra de produtos de higiene e estimular indústria da construção civil. Apesar disso, prefeito quer manter isolamento por 15 dias.


Foto: Marcos Serra Lima/G1
A cidade do Rio permitiu a reabertura de mais uma parte do comércio a partir desta sexta-feira (27). Alguns estabelecimentos já eram exceção e estavam autorizados a permanecer abertos.

Confira abaixo o comércio liberado para funcionar (em negrito, seguem as lojas que passam a integrar a lista nesta sexta):


lojas de conveniência;

de material de construção;
mercearias;
aviários;
depósitos;
comércio de insumos agrícolas;
comércio de gás liquefeito de petróleo;
mercados;
hortifrutis;
padarias e confeitarias;
açougues;
peixarias;
distribuidoras;
transportadoras;
postos de combustível;
lojas de medicamentos veterinários, alimentos e produtos de uso animal.

A reabertura foi autorizada em decreto pelo prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). A intenção, diz ele, é permitir que clientes comprem produtos básicos de higiene nas conveniências. E, de outro lado, fomentar a economia da indústria.


"Esse pessoal da indústria da Construção Civil precisa continuar trabalhando, a economia girando", disse na quinta (26).

Em outro decreto, o governador Wilson Witzel também estendeu a lojas de materiais de construção de todo o RJ o direito de abrir.

As restrições para os outros estabelecimentos continuam.


Também na quinta-feira, Crivella repetiu o apelo para que as pessoas fiquem em casa.


"Os próximos 15 dias têm que ser de absoluto, sagrado, religioso isolamento. É o que tenho ouvido de professores, infectologistas, minha secretária de saúde, diretores de hospital. Os próximos 15 dias é todo mundo em casa".


Reabertura gradual


Ao prestigiar o primeiro dia de trabalho das Forças Armadas desinfectando o transporte público, o prefeito também detalhou os planos para a reabertura gradual do comércio.


Ele disse que, desde o primeiro caso de coronavírus registrado na cidade, o número foi se multiplicando por dez diariamente. Ao fechar o comércio, o crescimento da curva foi achatando.


"Por isso, disse ontem: já começamos a avistar uma luz ao fim do túnel e achamos que em uma quinzena poderemos voltar aos poucos as atividades".


Especialistas criticam


A possibilidade de se afrouxarem ainda mais as medidas restritivas é criticada por especialistas de saúde.


Roberto Medronho, epidemiologista da UFRJ, alerta que suspendê-las agora "será pior". "Porque teremos mais à frente uma epidemia com mais mortes e também uma crise econômica", disse.


"Reconhecemos o impacto econômico que isso traz, mas agora temos que salvar vidas. Precisamos que os governantes, em especial o governo federal, invistam em medidas para mitigar o efeito econômico, especialmente nas classes menos favorecidas", emendou.


(G1 Rio)

Pandemia de coronavírus faz Band interromper conversas de renovação com Renata Fan e Neto

Emissora decidiu paralisar as negociações enquanto o Brasil sofre os efeitos da COVID-19


Reprodução/Instagram
A pandemia do novo coronavírus afetou diretamente duas figuras importantes da "Band". A direção da emissora decidiu interromper as conversas de renovação de contrato dos apresentadores temporariamente enquanto o Brasil sofre com os efeitos da COVID-19. As informações são do 'UOL'.

De acordo com a reportagem, os dois apresentadores se mostraram dispostos a acelerar pontos que seriam conversados com mais calma, já que os contratos de ambos terminam ao fim do ano, e entenderam perfeitamente a posição da emissora.

Vale lembrar que a Band está em processo de renovação com seus funcionários no esporte. No final do ano passado, por exemplo, Denílson renovou com a emissora até 2021.

(LANCE!)

quinta-feira, 26 de março de 2020

Ex-jogador de futebol acorda após quase três anos em coma

Abdelhak Nouri sofreu arritmia cardíaca quando estava em campo durante um amistoso em 2017


Divulgação/Ajax
O ex-jogador de futebol holandês Abdelhak Nouri, de 23 anos, acordou após dois anos e nove meses em coma.

O jovem de origem marroquina jogava pelo Ajax, da Holanda, quando foi vítima de uma arritmia cardíaca durante uma partida amistosa contra o Werder Bremen, da Alemanha, em 8 de julho de 2017.

A informação foi dada pelo irmão de Nouri, Abderrahim, ao programa de televisão holandês De Wereld Draait Door. Segundo as informações do irmão, Nouri está em casa e está consciente.

O irmão contou ao programa que a antiga jovem promessa do Ajax consegue comer e abrir os olhos, mas só consegue se comunicar através de movimentos com as sobrancelhas.

(Folha de Vitória)

Coronavírus: por meio de comunicado, empresa Gontijo anuncia suspensão temporária de diversas linhas

Divulgação
NOTA DO SITE OFICIAL DA GONTIJO

Coronavírus (COVID-19) - Informações aos passageiros

Prezado(a) cliente,

Como é de conhecimento de todos, a pandemia do COVID-19 trouxe diversas medidas para contenção do vírus, dentre elas a restrição de circulação imposta por decisões governamentais, que impede a empresa de operar em quase todas as suas linhas, bem como de atender os usuários com pontualidade, conforto e segurança, do início ao término da viagem, conforme disposto na legislação vigente.

Assim, diante do acima exposto, a empresa suspenderá, temporariamente, sua operação em diversas linhas.

Portanto, antes de adquirir uma passagem, recomendamos verificar em nosso site se a linha de destino está sendo operada pela empresa, a fim de evitar quaisquer transtorno.

Não é necessário comparecer às agências e rodoviárias nesse momento, todas as passagens com data de embarque entre o dia 16/03/2020 e 10/04/2020, serão devolvidas e ou remarcadas sem a cobrança de multas(taxa de devolução ou remarcação). A passagem tem validade de um ano a partir da data da compra.

Através do nosso site (www.comprepassagem.com.br), vouchers que não foram atendidos poderão ser devolvidos.

Associação de hotéis anuncia 3 mil demissões e paralisação de 13 unidades em BH e região

Divulgação/Fasano
Cerca de três mil pessoas foram demitidas após o fechamento por tempo indeterminado de 11 hotéis e a paralisação - pelos próximos 15 dias - de outros dois, em Belo Horizonte e outras cidades da Região Metropolitana devido à pandemia do coronavírus.

A estimativa é da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Minas Gerais (ABIH-MG), que prevê ainda uma piora no setor até 20 de abril, quando deve ocorrer o desligamento de outros cinco mil funcionários.

Também nesta quinta-feira (26), o Governo de Minas informou que está adotando medidas para diminuir o impacto da crise no setor turístico em meio à pandemia, dentre as quais a oferta de condições diferenciadas de financiamento para empresas do ramo e a campanha para remarcação de viagens.

Só nessa quarta-feira (25), 93 pessoas foram desligadas no Intercity BH Expo, na Gameleira, na região Leste de BH. Além dele, outros 10 estabelecimentos foram fechados sem prazo de reabertura: Fasano, BHB, Quality Pampulha, Classic, BH Plaza, Bristol Merit, ESuites Lagoa dos Ingleses, San Diego Barro Preto, Boulevard Express e Boulevard Park.

Já o OYO Amazonas Palace e o BH Boutique Hostel vão paralisar as atividades pela próxima quinzena e irão reavaliar possível reabertura ao fim do período citado. Nesses locais, a definição sobre desligamento ou manutenção de funcionários está sendo discutida.

Procurada, a assessoria do Hotel Fasano Belo Horizonte informou que o fechamento da unidade, por tempo indeterminado, foi necessário para a garantia da segurança dos colaboradores, clientes e fornecedores. "Fomos obrigados a tomar certas medidas que nos entristecem, mas acreditamos serem necessárias para resguardar o bem estar coletivo", informou, em nota.

Mais cortes

Apesar de não apresentar os dados exatos das dispensas, a associação vê na suspensão dos contratos de trabalho de funcionários da hotelaria uma forma de reduzir danos já que, segundo a ABIH-MG, pode dar 'fôlego ao empresariado'. A ABIH-MG afirma que há impactos diretos em todo o setor de Turismo e enfatiza que, no caso de hotéis, já foi registrado o cancelamento de mais de 70% das reservas.

Dessa forma, a expectativa é que outros 20 empreendimentos finalizem suas atividades no dia 1º de abril, causando a demissão de aproximadamente cinco mil funcionários até o dia 20 do próximo mês.

Para o presidente da associação, Guilherme Sanson, a hotelaria está isolada pelo governo e seu cenário de fechamento e paralisação dos hotéis só pode ser revertido com a tomada de decisões mais rápidas por parte do poder público, com ações como a isenção do IPTU e ICMS e a redução do ISS, enquanto durar a pandemia do coronavírus. Segundo Sanson, os pleitos do setor não foram concretizados.

"Acredito que muitos trabalhadores perderão seus empregos, muitos hotéis estão fechando ou irão fechar com a demora nas definições do governo, ainda que elas sejam difíceis, pois envolvem a parte econômica e financeira. O governo está contando com uma receita que não vai existir e as consequências serão mais trabalhadores afetados, assim como toda a cadeia do Turismo e isso tende a se avolumar cada vez mais", afirmou Sanson.

Suspensão de contratos de trabalho

Como forma de 'dar fôlego ao empresariado', Sanson sugere que, no caso desse setor especificamente, pode ser necessária a suspensão dos contratos de trabalho. De acordo com a associação, os funcionários que forem suspensos ou que tiverem seus direitos trabalhistas revogados neste momento, continuarão com a garantia dos empregos após a pandemia. Para Sanson, a suspensão impactará diretamente na sustentabilidade, saúde e no planejamento de investidores, hoteleiros e empreendedores.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura de BH, com a Secretaria de Estado de Fazenda, do Governo de Minas, e com o Governo Federal, mas eles ainda não se manifestaram. O Governo de Minas divulgou, na última quarta-feira (24), ações para o setor, no âmbito da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Veja:

Governo de Minas apoia setor

Além da oferta de condições especiais de financiamento para a cadeia do turismo, com redução nas taxas de juros e ampliação do prazo de carência, o Governo de Minas, informou que vai flexibilizar prazos de pagamento das contas da Cemig e Copasa.

Além disso, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) aderiu ao movimento nacional "Não cancele, remarque!", que busca reforçar a importância do turismo para os estados, a necessidade das atividades turísticas voltarem a operar quando a situação normalizar, além de contribuir para que a saúde financeira das empresas não seja prejudicada.

"A Secult está ainda mais aberta ao diálogo com todos seus parceiros, neste momento tão delicado, e segue com a prática de se reunir com o setor de forma mais intensa para entender as demandas, nivelar as informações recebidas do governo federal e discutir, em conjunto, medidas e alternativas para enfrentar essa crise", afirmou o secretário adjunto da Secult, Bernardo Silviano Brandão.

(Hoje em Dia)

Covid-19: ajuda a trabalhador informal será de R$ 600, diz Bolsonaro

Marcos Corrêa/PR
Valor é o triplo do informado inicialmente e será pago por três meses

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de R$ 600 por mês. O valor corresponde ao triplo informado inicialmente e será pago durante três meses.

"Aquela ajuda inicial para os informais, de R$ 200, que é muito pouco, conversei com Paulo Guedes, e ele resolveu triplicar esse valor", afirmou o presidente durante sua live semanal transmitida no Facebook. O auxílio é voltado aos trabalhadores informais (sem carteira assinada), às pessoas sem assistência social e à população que desistiu de procurar emprego.

A medida é uma forma de amparar as camadas mais vulneráveis à crise econômica causada pela disseminação da doença no Brasil, e o auxílio será distribuído por meio de vouchers (cupons). De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de informalidade (trabalhadores sem carteira assinada ou empreendedores sem registro, por exemplo) atinge 41,1% da força de trabalho ocupada no país.

O Ministério da Economia ainda não informou quanto esse novo valor do auxílio emergencial custará aos cofres públicos. Na época em que foi anunciado o voucher no valor de R$ 200, o ministro Paulo Guedes afirmou que o auxílio custaria, no total, R$ 15 bilhões. Os vouchers poderão ser retirados por pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, instrumento administrado pelo Ministério da Cidadania que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, desde que o interessado não receba nenhum benefício social, como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Isolamento

Durante a live, o presidente voltou a criticar as medidas que restringem o comércio e determinam o isolamento social generalizado. Para Bolsonaro, o país deveria adotar o chamado "isolamento vertical", em que ficam recolhidas somente as pessoas que fazem parte de grupo de risco, como idosos e população com doenças crônicas. "Essa neurose de fechar tudo não está dando certo. Para combater o vírus, estão matando o paciente", afirmou.

O isolamento social e o cancelamento de eventos, shows, fechamento de museus, cinemas e restrição de serviços não essenciais estão entre as principais recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para conter o avanço do novo coronavírus.

Além de defender a flexibilização das medidas de isolamento, Bolsonaro alertou que cabe às famílias cuidar da proteção das pessoas que estão no grupo de risco para a covid-19. Segundo ele, a letalidade da doença é baixa e não pode paralisar a economia.

"Para 90% da população, essa gripe é quase nada. [Para] quem tem menos de 40 anos, uma vez infectado, a chance de óbito é próxima a zero, de uma para cada 500 pessoas", disse. "A primeira pessoa a se preocupar com o grupo de risco é você. Não é esperar que o governo faça, o governo está fazendo muita coisa, mas não pode fazer tudo que acham que o Estado pode fazer", completou.

De acordo com a última atualização do Ministério da Saúde, divulgada nesta quinta-feira (26), o país registra 2.915 casos confirmados de covid-19 e 77 mortes causadas pela doença. A taxa de letalidade é de 2,7%. Considerando um mês após o primeiro infectado, o Brasil fica atrás da China (213 mortes e 9.802 casos), mas à frente da Itália (29 mortes e 1.694 casos).

(Agência Brasil)

Saiba o perfil dos casos suspeitos da Covid-19 na região dos Vales

Reprodução/G1 dos Vales
O G1 fez um levantamento do perfil das pessoas que estão com a suspeita de coronavírus nas principais cidades da região.

O número de casos suspeitos nas cidades do Leste e Nordeste de Minas tem aumentado diariamente. Até esta quinta-feira (26), foram notificados 1.425 casos suspeitos nos municípios da região pela Secretaria de Estado de Saúde. Quatro casos foram confirmados, ao todo, em Ipatinga, Coronel Fabriciano, Timóteo e Governador Valadares.

O G1 fez um levantamento através da Secretaria de Estado de Saúde e traçou o perfil das pessoas que estão com suspeita de Covid-19 por Unidade Regional de Saúde. A sequência seguirá pela quantidade de número de casos suspeitos por região - Coronel Fabriciano, Governador Valadares, Manhuaçu, Itabira, Teófilo Otoni, Pedra Azul e Diamantina.

Coronel Fabriciano

Na Unidade Regional de Saúde de Coronel Fabriciano, até esta quinta-feira (26) 31 municípios estão com casos suspeitos segundo a Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo são mais de mil notificações na região.

Até o momento há casos suspeitos nos municípios: Açucena, Belo Oriente, Bom Jesus do Galho, Bugre, Caratinga, Coronel Fabriciano, Dionísio, Dom Cavati, Entre Folhas, Iapu, Imbé de Minas, Inhapim, Ipaba, Ipatinga, Jaguaraçu, Joanésia, Marliéria, Mesquita, Naque, Periquito, Piedade de Caratinga, Pingo-D'Água, Santa Bárbara do Leste, Santa Rita de Minas, Santana do Paraíso, São Domingos das Dores, São João do Oriente, São Sebastião do Anta, Timóteo, Ubaporanga e Vargem Alegre.

Segundo o levantamento feito, a maioria é formada por mulheres entre 20 e 29 anos. Nos homens, a mesma faixa etária prevalece. Dentro do grupo de risco, há registro em homens e mulheres nas idades de 60 a 90 anos ou mais.

Governador Valadares

Na Unidade Regional de Saúde de Governador Valadares, até esta quinta-feira (26) 28 municípios estão com casos suspeitos segundo a Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo são mais de 200 notificações na região.

Até o momento há casos suspeitos nos municípios: Água Boa, Aimorés, Alpercata, Central de Minas, Coroaci, Cuparaque, Fernandes Tourinho, Frei Inocêncio, Frei Lagonegro, Galiléia, Goiabeira, Gonzaga, Governador Valadares, Itanhomi, Mantena, Marilac, Mathias Lobato, Mendes Pimentel, Nacip Raydan, Resplendor, Santa Efigênia de Minas, São Geraldo do Baixio, São João Evangelista, São José do Jacuri, Sardoá, Tarumirim, Tumiritinga e Virgolândia.

Segundo o levantamento feito, a maioria é formada por mulheres entre 20 e 39 anos. Nos homens, a faixa etária de 30 a 39 anos prevalece. Dentro do grupo de risco, há registro em homens e mulheres nas idades de 60 a 90 anos ou mais.

Manhuaçu

Na Unidade Regional de Saúde de Manhuaçu, até esta quinta-feira (26) sete municípios estão com casos suspeitos segundo a Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo são mais de 50 notificações na região.

Até o momento há casos suspeitos nos municípios: Chalé, Ipanema, Lajinha, Mutum, Pocrane, Simonésia e Taparuba.

Segundo o levantamento feito, a maioria é formada por mulheres entre 20 e 29 anos. Nos homens, a mesma faixa etária prevalece. Dentro do grupo de risco, há registro apenas em homens nas idades de 60 a 79 anos.

Itabira

Na Unidade Regional de Saúde de Itabira, até esta quinta-feira (26) sete municípios estão com casos suspeitos segundo a Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo são mais de 30 notificações na região.

Até o momento há casos suspeitos nos municípios: Carmésia, Dom Joaquim, Ferros, Guanhães, Santa Maria de Itabira, Senhora do Porto e Virginópolis.

Segundo o levantamento feito, a maioria é formada por mulheres entre 20 e 29 anos. Nos homens, a faixa etária de 20 a 39 anos prevalece. Dentro do grupo de risco, há registro em mulheres de 60 a 69 anos e em homens de 70 a 79 anos.

Teófilo Otoni

Na Unidade Regional de Saúde de Teófilo Otoni, até esta quinta-feira (26) 12 municípios estão com casos suspeitos segundo a Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo são mais de 30 notificações na região.

Até o momento há casos suspeitos nos municípios: Angelândia, Catuji, Franciscópolis, Itambacuri, Ladainha, Malacacheta, Nanuque, Nova Módica, Novo Cruzeiro, Poté, Serra dos Aimorés e Teófilo Otoni.

Segundo o levantamento feito, a maioria é formada por homens entre 20 e 29 anos e mulheres de 30 a 39 anos. Dentro do grupo de risco, há registro em mulheres de 60 a 69 anos e em homens de 60 a 69 anos e 90 ou mais.

Pedra Azul

Na Unidade Regional de Saúde de Pedra Azul, até esta quinta-feira (26) 10 municípios estão com casos suspeitos segundo a Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo são mais de 20 notificações na região.

Até o momento há casos suspeitos nos municípios: Almenara, Divisópolis, Felisburgo, Itaobim, Jacinto, Jequitinhonha, Jordânia, Mata Verde, Ponto dos Volantes e Santa Maria do Salto.

Segundo o levantamento feito, a maioria é formada por homens entre 20 e 39 anos e mulheres de 20 a 29 anos. Dentro do grupo de risco, há registro em mulheres de 60 a 79 e 90 ou mais anos e em homens de 60 a 69 anos.

Diamantina

Na Unidade Regional de Saúde de Diamantina, até esta quinta-feira (26) cinco municípios estão com casos suspeitos segundo a Secretaria de Estado de Saúde. Ao todo são mais de 10 notificações na região.

Até o momento há casos suspeitos nos municípios: Capelinha, Coluna, Rio Vermelho, Sabinópolis e Santo Antônio do Itambé.

Segundo o levantamento feito, a maioria é formada por mulheres entre 30 e 39 anos. Nos homens, a mesma faixa etária prevalece. Dentro do grupo de risco, há registro apenas em mulheres de 60 a 69 anos.

(G1 dos Vales)

Clubes da Série B decidem dar férias e reduzir salários dos jogadores em 25%

Foto: Lucas Figueiredo/CBF
Os 20 clubes do Campeonato Brasileiro da Série B anunciaram em conjunto nesta quinta-feira as medidas para diminuição dos gastos durante a paralisação do calendário do futebol pela pandemia do novo coronavírus. Os dirigentes das equipes decidiram dar férias coletivas de 20 dias aos elencos a partir de 1.º de abril e reduzir os salários dos atletas em 25% após esse período.

Os times da Série B tomaram essa decisão após as seguidas negociações entre o Conselho Nacional de Clubes (CNC) e a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) terminarem sem acordo. A maior divergência entre as duas partes é justamente a possível redução salarial e o tempo de férias coletivas. Quem anunciou a decisão coletiva válida para a Série B foi a Chapecoense, em nota publicada no site.

No entanto, o presidente da Fenapaf, Felipe Augusto Leite, disse ter sido surpreendido pela nota, pois os clubes, a CBF e a entidade que representa os jogadores têm uma reunião marcada para a tarde desta quinta-feira, a partir das 16 horas. "Foi uma decisão precipitada de divulgar essa nota. As férias coletivas devem ser adequadas ao período que a CBF determinar. Estamos procurando discutir com uma unidade, com 46 clubes juntos. O que adianta decidir as férias agora se podem na semana que vem arrumar uma vacina?", afirmou ao estado.

Os participantes da segunda divisão nacional anunciaram que inicialmente os jogadores e funcionários vão ter férias coletivas de 20 dias, prorrogáveis por mais 10. A possível extensão do período de descanso será definida em reunião em 15 de abril, quando os dirigentes vão avaliar o cenário da pandemia. Os clubes querem ainda uma intertemporada de 20 dias antes da retomada das competições.

Na questão salarial, os times da Série B definiram que caso a paralisação se estenda para depois das férias coletivas, os jogadores teriam redução de 25% nos vencimentos. Enquanto não tiver calendário, não haverá pagamento de direitos de imagem e cada equipe deverá avaliar como fará essa negociação. As diretorias se comprometem também a bancar os salários do mês de março.

Segundo a Chapecoense, o pacote de reajustes foi apresentado por videoconferência na manhã desta quinta-feira ao técnico Umberto Louzer e aos jogadores Alan Ruschel, Anselmo Ramon, João Ricardo e Kadu.

(Agência Estado e Rádio Itatiaia)

Cidade: sobe os números de casos suspeitos de coronavírus em Belo Oriente

Boletim Epidemiológico foi atualizado na tarde desta quinta-feira 


Os casos suspeitos de coronavírus em Belo Oriente subiram conforme os números atualizados nesta quinta-feira. Segue como medida de prevenção o isolamento domiciliar. Na cidade, o número saltou de 25 casos suspeitos para 36 conforme o Boletim desta quinta.

Divulgação/Secretaria de Saúde de Belo Oriente e Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Em meio a pandemia do coronavírus, comerciantes fazem carreata em Ipatinga e pedem pela volta às atividades

Reprodução
Na manhã desta quinta-feira (26/03), em Ipatinga, alguns comerciantes da cidade do Vale do Aço saíram às ruas em forma de protesto por causa da paralisação geral do país, após a pandemia do coronavírus. Os comerciantes pedem pelo retorno às atividades.

Nas mais diversas cidades do país, inclusive em Ipatinga, por meio de decreto, os comércios passariam a funcionar de forma bem diferente do convencional. 

A principal medida de prevenção, conforme destacada nas últimas semanas, é o isolamento social. Uma forma de conter o avanço do coronavírus.

De acordo com os últimos números atualizados, as secretarias estaduais de Saúde contabilizam 2.598 infectados em todos os estados. Foram registradas as primeiras mortes nos estados de Goiás e Santa Catarina; são 63 mortos em todo o país.



Publicidade 

Polícia encontra fábrica clandestina de álcool em gel no Vale do Aço e um homem é preso

Segundo a vigilância sanitária, o produto era feito com álcool encontrado em postos de gasolina e gel para cabelo; homem confessou a falsificação e foi encaminhado à delegacia.


Prefeitura de Ipatinga/Divulgação
Um homem de 32 anos foi preso por vender álcool em gel falsificado em Ipatinga, no Vale do Aço. De acordo com informações da Polícia Militar, ele mantinha uma fábrica clandestina na casa dele, no Vila Militar, e foi descoberto através de uma denúncia anônima feita na ouvidoria da Prefeitura.

Ainda segundo a PM, o homem foi abordado em uma motocicleta, no Bairro Canaã. Ao ser questionado, ele confessou que estava vendendo o produto falso e não possuía nenhum registro. Os policiais e a vigilância apreenderam na casa dele um galão de álcool anídrico, 161 galões para comercialização do produto, um misturador, um balde e 55 rótulos.

Conforme informações da vigilância sanitária, o produto era feito com álcool encontrado em postos de gasolina e gel para cabelo. A comercialização era feita por telefone através de um número divulgado nas redes sociais.

O homem foi encaminhado para a delegacia de Polícia Civil junto com os materiais apreendidos.

(G1 dos Vales)

Comunicado importante da Oriente Copiadora e Variedades aos seus clientes

Divulgação/Oriente Copiadora e Variedades

quarta-feira, 25 de março de 2020

Por causa do coronavírus: Arbitral Final do Campeonato Amador de Belo Oriente é suspenso

Futblog do Sorriso
CONFIRA A NOTA OFICIAL DA LDBO:

"A Gerência de Esporte juntamente com a Liga de Desportos de Belo Oriente comunica a suspensão do Arbitral de Clubes que estava agendado para a próxima sexta-feira dia 27/03. Tal medida tem como base as orientações de prevenção ao contágio do Corona vírus (Covid-19). Informamos ainda, que tão logo se normalize, comunicaremos a todos para que possamos juntos dar prosseguimento nos assuntos relacionados ao Campeonato Municipal de Futebol Amador de Belo Oriente."

Edson Martins de Almeida
Gerente de Esporte

Ex-goleiro Rodrigo Posso é eleito o maior ídolo da história do Ipatinga FC

Divulgação/Ipatinga FC
Por meio de sua página oficial, o Ipatinga Futebol Clube destacou que, o ex-goleiro Rodrigo Posso, foi eleito por unanimidade como o maior ídolo da história do clube do Vale do Aço. O jogador no decorrer da carreira, quando defendeu o clube, conseguiu várias conquistas.

Nota abaixo:

"Foram mais de 1.000 votos, entre Instagram e Twitter e, por unanimidade, o ex-goleiro Rodrigo Posso foi considerado o maior ídolo da história do Ipatinga Futebol Clube.

Rodrigo Posso foi o atleta que mais vestiu a camisa Quadricolor, com 217 partidas. O ex-jogador esteve presente nos principais momentos de glórias do Tigre de Aço:

 Campeão Taça Minas Gerais | 2004
 Campeão do Campeonato Mineiro | 2005
Vice-campeão Mineiro | 2006
Terceiro colocado da Copa do Brasil | 2006
Acesso para a Série B | 2006
Vice-campeão da Série B | 2007

Obrigado por tudo que fez com esta importante camisa, Rodrigo! Com muito empenho e dedicação de todos os envolvidos no projeto do Clube, conseguiremos retomar os momentos de glórias!"

Em nota oficial, Tombense anuncia dispensa de jogadores sem data prevista para retorno

Tombense/Divulgação
Vice-líder do Campeonato Mineiro, somando 20 pontos, o Tombense anunciou a dispensa de seus jogadores sem data para retorno. Tudo devido a pandemia do coronavírus. O time da cidade de Tombos, na Zona da Mata Mineira, está atrás apenas do América, líder com 21 pontos. A Federação Mineira destacou nesta quarta-feira que a competição está suspensa até final do mês de abril.

NOTA DO TOMBENSE:

Comunicamos que hoje, em reunião com os atletas e comissão técnica, houve acordo de dispensa sem data prevista para o retorno, devido ao momento que estamos passando em relação à pandemia do coronavírus, aguardando somente, o posicionamento da Federação Mineira de Futebol (FMF) em relação ao retorno do campeonato mineiro.

A direção,
Tombense Futebol Clube.



Publicidade 

Federação Mineira mantém suspensas as atividades do futebol até final de abril

FMF/Divulgação
Por meio de nota na rede social Twitter, a Federação Mineira de Futebol anunciou que as competições de futebol do Estado de Minas Gerais seguirão suspensas até o fim do mês de abril.

CONFIRA A NOTA OFICIAL:

"A FMF decidiu, diante do atual cenário de enfrentamento ao covid-19, e considerando o Decreto de Calamidade Pública por parte do Governo de Minas, manter suspensas todas as atividades do futebol em MG até o dia 30 de abril."