sábado, 6 de junho de 2020

Bayern de Munique vence Leverkusen de virada e fica mais perto do título

Foto: Mattias Hangst/Getty Images
O Bayern de Munique conta os dias para levantar a taça do Campeonato Alemão pela oitava temporada seguida. Vivendo uma fase esplêndida, o time bávaro derrotou o Bayer Leverkusen fora de casa por 4 x 2, de virada, ampliou o número de jogos invicto no torneio e estabeleceu um novo recorde de gols. O duelo deste sábado (06/06) foi válido pela 30ª rodada.

Agora, o líder da competição está há 16 partidas sem perder, sendo nove triunfos consecutivos, chegou aos 70 pontos e abriu dez de diferença para o vice-líder Borussia Dortmund, que ainda joga neste sábado. Logo, com mais quatro partidas restantes, só um desastre tiraria o título das mãos do Bayern. Pode até comemorar o oitavo troféu seguido já na próxima rodada, caso vença seu jogo e o Dortmund tropece diante do Hertha Berlin neste sábado. O Leverkusen parou no quinto lugar, com 56 pontos, e desperdiçou a chance de entrar na zona de classificação para a próxima edição da Liga dos Campeões.

Pulverizador de recordes, o time de Hansi Flick alcançou mais uma marca expressiva: chegou a 90 gols em 30 jogos. O poderoso ataque bávaro é comandado por Robert Lewandowski, que marcou um terço dos tentos do time de Munique no torneio.

Com 30 gols em 28 jogos, o centroavante polonês lidera a artilharia da competição de forma isolada. Em toda a temporada, Lewandowski ostenta 44 tentos, alcançando um novo recorde pessoal. Neste sábado, ele foi o último a balançar as redes pelos visitantes, que também marcaram com Coman, Goretzka e Gnabry, todos os três ainda na primeira etapa. Os anfitriões foram às redes com o argentino Lucas Alario e o alemão Wirtz, concluindo jogada do brasileiro Paulinho, que entrou na etapa final e jogou pouco mais de 30 minutos.

Outro que tem se destacado com frequência é o atacante Thomas Müller. Mas não por marcar e sim por servir. O alemão deu duas assistências na vitória diante do Leverkusen e agora tem 20 passes para o gol em toda a competição, número que nenhum outro jogador das cinco principais ligas europeias alcançou.

Em ação contra o racismo, membros das comissões técnicas e jogadores dos dois times vestiram camisas com mensagens endossando a combate à discriminação racial. Alguns atletas, como o meia Gnabry, também usaram faixas no braço. No adereço estava escrito “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam).

Tropeço em Leipzig

Quem perdeu a oportunidade de abrir vantagem em relação aos concorrentes na briga por uma vaga na Liga dos Campeões e até assumir — mesmo que provisoriamente — a vice-liderança do torneio foi o RB Leipzig, que só empatou em casa por 1 x 1 com o lanterna Paderborn.

O RB Leipzig, terceiro colocado com 59 pontos, só não lamenta tanto o tropeço porque a rodada foi favorável, já que o Borussia Mönchengladbach e o Bayer Leverkusen, quarto e quinto colocados, respectivamente, foram derrotados. Soma três pontos a mais que os dois rivais e um a menos que o segundo colocado Borussia Dortmund, que ainda entra em campo.

O atacante checo Patrik Schick fez o gol que ia assegurando o triunfo dos donos da casa até os acréscimos da partida, exatamente aos 47 da etapa final, quando o zagueiro Strohdiek marcou para os visitantes e decretou o empate.

Nos outros dois jogos já encerrados neste sábado, Fortuna Düsseldorf (16º) e Hoffenheim (sexto) empataram em 2 x 2 e o Mainz 05 (15º) derrotou o Eintracht Franfkurt (11º) por 2 x 0 fora de casa.

Estadão Conteúdo e Metrópoles

Carrillo confia na seleção peruana no confronto com a brasileira

Foto: Reprodução/Twitter/Carrillo
Vice-campeã da Copa América no Brasil, em 2019, a seleção peruana será a segunda adversária do Brasil nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo do Catar (2022). No ano passado, os brasileiros levaram vantagem em duas oportunidades: na primeira fase da competição continental, o Brasil goleou por 5 a 0; na final, a vitória foi por 3 a 1. Mas no último confronto, em amistoso realizado em setembro, nos Estados Unidos, os peruanos ganharam de 1 a 0.

A Agência Brasil conversou com Carrillo, atacante do Al Hilal, da Arábia Saudita, e da seleção do Peru. O jogador de 28 anos, que já teve passagem pelo futebol português, onde defendeu o Sporting e o Benfica, disse estar tranquilo com relação à pandemia e espera o desenvolvimento de uma vacina. Sobre o confronto com o Brasil, ele prevê que seja um jogo difícil, levando em consideração a qualidade dos jogadores brasileiros.

Agência Brasil: Como você está neste momento de pandemia?

Carrillo: Calmo, em casa com a família. Treinando todos os dias para manter a forma física. Estávamos todos muito preocupados com o caso da Arábia Saudita, mas tomaram medidas sanitárias muito rápidas e controlaram o vírus. Estamos tomando todas as medidas solicitadas pelo governo.

Agência Brasil: Como tem sido a comunicação com o técnico da seleção peruana, Ricardo Gareca?

Carrillo: Estamos em contato permanente, todos bem. Esperando com muita vontade pelo retorno do futebol e cuidando de nossas famílias.

Agência Brasil: Após a retomada dos jogos, como deverão ser as partidas, tendo em vista o tempo de inatividade e a ausência de torcida?

Carrillo: Acho que não haverá problemas e o ritmo do jogo será recuperado muito rapidamente. Será um sentimento esquisito, especialmente porque os torcedores do Al Hilal e do Peru sempre estiveram presentes nos jogos. Eu acho que haverá um tempo em que as coisas serão diferentes, mas tudo voltará ao normal. Nós apenas temos de nos adaptar à nova vida e esperar por uma vacina.

Agência Brasil: Como você espera que seja sua estreia contra a seleção brasileira? Existe alguma diferença em enfrentá-la em setembro ou março?

Carrillo: A equipe brasileira é muito competitiva e tem ótimos jogadores. Sempre será um adversário difícil de enfrentar. Mas em campo somos 11 contra 11 e esperamos obter um bom resultado quando jogamos.

Agência Brasil: Atualmente, no Brasil, cresce o número de mortos e infectados por covid-19. De alguma maneira os dados te assustam?

Carrillo: Estou muito confiante nos protocolos definidos pela Fifa, Conmebol e pelas autoridades dos países. Enquanto existirem estes controles, creio que tudo vai sair bem. Provavelmente, existirão alguns contágios quando as atividades econômicas forem reiniciadas, mas isso faz parte do dia a dia e temos de aceitá-los.

Rafael Monteiro, repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro (Da Agência Brasil)

Rio reabre shoppings, bares, igrejas, estádios e pontos turísticos

Comércio do Rio
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil 
Medidas entram em vigor neste sábado

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, determinou a reabertura de shoppings, bares, restaurantes, igrejas, estádios e pontos turísticos. As medidas constam em decreto publicado em edição extra do Diário Oficial do Estado, na noite de sexta-feira (5), e já valem a partir deste sábado (6).

Aulas nas redes públicas e privadas continuam suspensas até o dia 21 de junho. A abertura gradual da economia do estado foi detalhada em nota divulgada pelo governo.

“A medida determina o funcionamento de alguns setores do comércio e da indústria em horários específicos para evitar aglomerações. O decreto 47.112 também prorroga, até o dia 21 de junho, algumas medidas restritivas de prevenção e enfrentamento à propagação do novo coronavírus no Estado do Rio. Para a elaboração do decreto, o governo do estado levou em consideração os dados epidemiológicos da Secretaria de Estado de Saúde (SES), incluindo a redução do número diário de óbitos e das internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)”, informou a nota.

Assim, os shoppings podem funcionar das 12h às 20h, com limitação de 50% da capacidade, garantindo fornecimento de álcool em gel 70%. As praças de alimentação também podem reabrir, obedecendo ao limite de 50% da capacidade. Áreas de recreação, cinemas e afins, no entanto, permanecerão sem funcionar.

Bares e restaurantes também podem voltar a abrir, respeitando o limite de 50% de sua capacidade. Pontos turísticos, como Cristo Redentor e Pão de Açúcar, também estão autorizados a abrir para o público, respeitando o limite de 50% de sua capacidade de lotação.

As organizações religiosas, como igrejas, centros e templos, podem funcionar, desde que seja observada a distância de um metro entre as pessoas.

Sem aglomeração
O funcionamento dos parques, para a prática de esportes, também está permitido, desde que não haja aglomeração. Ficam autorizadas as atividades esportivas individuais ao ar livre, inclusive em praias e lagoas.

Atividades esportivas de alto rendimento, como futebol, passam a ser autorizadas, desde que sem público e com os devidos protocolos de higienização.

De acordo com o decreto, estão suspensas até 21 de junho as aulas presenciais das redes de ensino estadual, municipal e privada. Também continuam fechados cinemas, teatros e academias de ginástica. Em caso de descumprimento das medidas, o governo reforçou que as forças de segurança pública poderão atuar.

O estado do Rio é o segundo em número de mortes e casos confirmados de covid-19 no país, atrás apenas de São Paulo. Segundo o boletim de sexta-feira (5) da Secretaria de Saúde, são 63.066 casos confirmados e 6.473 óbitos, com outras 1.185 mortes em investigação.

Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Nova data das eleições municipais será decidida em junho

Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE
Luís Roberto Barroso fala à Agência Brasil sobre o próximo pleito

Na última quinta-feira, a Lei Complementar nº 135, mais conhecida como Lei da Ficha Limpa, completou 10 anos. A legislação é considerada um avanço na elaboração, por mobilização popular, e em seu conteúdo.

Ela impede a candidatura e até retira mandatos de pessoas condenadas por decisão transitada em julgado ou por órgãos colegiados da Justiça, seja por prática de crimes comuns, contra o erário público e até em disputas eleitorais.

A lei mudou a história do Brasil. “Ela simboliza a superação de um tempo em que era socialmente aceita a apropriação privada do Estado e, sobretudo, a naturalização do desvio do dinheiro público”, avalia o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e também um dos onze ministros Supremo Tribunal Federal (STF).

Barroso estará à frente das eleições municipais de 2020, que deverão ter a data remarcada por decisão do Congresso Nacional por causa da pandemia de covid-19. A seguir a entrevista do ministro concedida à Agência Brasil.

Agência Brasil - Que balanço o senhor faz da Lei da Ficha Limpa?

Luís Roberto Barroso – Acho que foi uma lei extremamente importante para a vida política brasileira por muitas razões. Primeiro ponto que merece ser destacado é que ela foi resultado de um projeto de lei de iniciativa popular que contou com mais de 1,5 milhão de assinaturas. Houve mobilização da sociedade para que fosse editada uma lei, prevista na Constituição, cujo propósito era proteger a probidade administrativa e a moralidade para exercício do mandato - considerando a vida pregressa dos candidatos. Basicamente, a lei tem um conteúdo: ela torna inelegível, ou seja, não podem se candidatar para cargo eletivo, por oito anos, aquelas pessoas que tenham sido condenadas por crimes graves que a lei enumera, os que tenham tido as contas rejeitadas, ou que tenham sido condenadas por abuso de poder político e poder econômico, sempre por órgão colegiado – portanto, sempre com direito a pelo menos um recurso. Foi um esforço da sociedade brasileira, chancelado pelo Poder Legislativo e sancionado pelo presidente da República, para atender uma imensa demanda por integridade na vida pública. Esta lei, inserida em um contexto maior, de reação da sociedade brasileira contra práticas inaceitáveis, é um marco relevante na vida pública brasileira. Ela simboliza a superação de um tempo em que era socialmente aceita a apropriação privada do Estado e, sobretudo, a naturalização do desvio do dinheiro público.

Agência Brasil – O senhor sabe quantas candidaturas foram impedidas e quantos políticos diplomados ou já em exercício no cargo perderam mandato por serem fichas sujas?

Barroso – Eu não teria esse dado e menos ainda de cabeça, até porque boa parte dos registros de candidatura não são feitos no Tribunal Superior Eleitoral, mas sim nos tribunais regionais eleitorais. Eu posso assegurar que foram muitas centenas, se não alguns milhares. Temos duas situações. Temos os casos das candidaturas que não são registradas, assim se impede que alguém que não tinha bons antecedentes para fins eleitorais sequer fosse candidato. Nesse caso, há muitos milhares. E temos muitas centenas de decisões de candidatos que chegaram a participar de eleições, muitos concorreram com liminar obtida na Justiça e depois foram julgados inidôneos e tiveram o registro cassado. Um caso emblemático, decidido pelo TSE, diz respeito a novas eleições [para governador] no estado do Amazonas, em que houve a cassação da chapa e a realização de novas eleições.

Agência Brasil – Como o senhor enxerga algumas manobras para fugir da Lei da Ficha Limpa? Por exemplo, com lançamento de candidaturas laranjas?

Barroso – A questão de candidaturas laranjas não se coloca propriamente em relação à Lei da Ficha Limpa. Ela tem se colocado, e há muitas decisões do TSE nessa linha, em relação à obrigatoriedade de 30% de candidaturas femininas. Há muitas situações em que nomes de mulheres são incluídas na chapa, mas não para disputar verdadeiramente, apenas para cumprir tabela ou para inglês ver, e essas próprias mulheres terminam fazendo campanha para outros candidatos, inclusive repassando as verbas do fundo eleitoral e partidário a que teriam direito. O Tribunal Superior Eleitoral tem reagido com veemência a essa prática, manifestada em mulheres que têm votos irrisórios ou zero votos nas suas campanhas - muitas delas tendo recebido verbas para fazer a sua própria campanha. Nós recentemente, num caso equivalente no Piauí, entendemos que se a chapa tiver candidaturas laranjas se derruba toda a chapa. Se derruba a chapa inteira. Foi uma reação contundente do TSE para essa prática, que eu espero tenha desestimulado de vez, porque as consequências são graves.

Agência Brasil – No dia que a Lei da Ficha Limpa completou dez anos, a Agência Brasil trouxe percepção de entidades da sociedade civil sobre a legislação. Todas as organizações avaliam positivamente, mas apontam problemas no funcionamento do sistema político que não são tratados na lei. Uma das coisas assinaladas é a possibilidade de que pessoas com ficha suja, eventualmente até ex-presidiários, estejam à frente de partidos políticos, inclusive, decidindo sobre o uso dos recursos dos fundos eleitorais e partidários. Tem alguma coisa que a Justiça Eleitoral possa fazer contra isso?

Barroso – Eu gosto de dizer que o combate à corrupção tem alguns obstáculos. Um deles são os corruptos propriamente ditos. Temos os que não querem ser punidos e os que não querem ficar honestos nem daqui para frente. Tem gente que precisaria reaprender a viver sem ser com o dinheiro dos outros, inclusive gente que já cumpriu pena. Isso tem mais a ver com o estado civilizatório do país do que com a Lei da Ficha Limpa. Os partidos políticos são pessoas jurídicas de direito privado. Pela Constituição, eles têm autonomia. A Justiça Eleitoral não tem muita ingerência sobre a escolha dos órgãos diretivos dos partidos. Alguns partidos acabam sendo empreendimentos privados para receber verbas do fundo partidário e negociarem tempo de televisão. Eu acho que reformas recentes no Congresso, como a aprovação da cláusula de barreira, e a proibição de coligações em eleições proporcionais, vão produzir uma certa depuração do quadro partidário para que sobrevivam os que tem maior autenticidade programática e verdadeira representatividade. Objetivamente, o que a Justiça Eleitoral pode fazer é cassar os direitos políticos por oito anos, tornando as pessoas condenadas inelegíveis. Mas ela não tem ingerência direta sobre a economia interna dos partidos para impedir a escolha de determinados dirigentes, que melhor fariam se deixassem os espaços da vida pública para uma nova geração mais íntegra, idealista e patriótica. O TSE tem apoiado junto ao Congresso um projeto de lei que já foi aprovado no Senado pela implantação do sistema distrital misto, que é um sistema que barateia as eleições e aumenta a representatividade do parlamento. Nós consideramos que boa parte das coisas erradas que aconteceram no Brasil está associada ao modelo de financiamento eleitoral e ao custo das campanhas eleitorais. Nos achamos que um sistema eleitoral que barateia o custo e aumenta a representatividade do Parlamento nos ajudará a superar essas disfunções associadas ao financiamento eleitoral e a muitas coisas erradas que vem por trás dele.

Agência Brasil – O senhor vai comandar as eleições municipais. Já tem uma data pacificada entre a Justiça Eleitoral e o Congresso para a realização do pleito?

Barroso – A possibilidade de adiamento das eleições é real. Eu penso que ao longo do mês de junho a Justiça Eleitoral e o Congresso Nacional, numa interlocução construtiva, deverão bater o martelo acerca de novas datas se sepultarmos que isso seja indispensável, embora seja propósito dos ministros do TSE e dos presidentes da Câmara e do Senado não remarcar para nenhuma data além deste ano.

Agência Brasil - O que o senhor acha das candidaturas para mandatos coletivos?

Barroso – Essa possibilidade não existe. O que nós temos, hoje ainda na Câmara [dos Deputados], parlamentares que foram eleitos por partidos políticos, porque é obrigatória a filiação partidária, mas que têm por trás de si algum movimento, um conjunto de ideias comuns. É o caso, por exemplo, do Movimento Acredito que elegeu parlamentares em diferentes partidos. Esses parlamentares se elegem por algum partido e exercem o mandato em nome próprio, não é um mandato coletivo, mas eles pertencem a um movimento. Uma questão que ainda vai ser decidida pelo Tribunal Superior Eleitoral que é a seguinte: alguns desses movimentos firmam com os partidos uma espécie de carta compromisso em que o partido se compromete a aceitar esses vínculos que o candidato tenha com esse determinado movimento. O que aconteceu foi que na reforma da Previdência alguns parlamentares fiéis ao que consideravam ser a posição do seu movimento não seguram a posição do seu partido e aí há na Justiça Eleitoral uma discussão importante sobre fidelidade partidária e a legitimidade de alguma de sanção aplicada a esses parlamentares. Ficou uma discussão se essa carta compromisso do movimento político com o partido vale sobre as orientações partidárias. Eu nesse momento não posso opinar sobre essa questão porque ela está sub judice no TSE.

Agência Brasil – Isso deve ir a julgamento quando?

Barroso – Isso é difícil de eu responder porque depende de relator. Mas a Justiça Eleitoral é relativamente ágil, de modo que se não for decidir neste final de semestre, deverá ser no início do próximo.

Agência Brasil – Propaganda ilegal, fake news, abuso de poder econômico e outras ilicitudes poderão anular candidaturas e chapas no pleito que ocorrerá este ano?

Barroso – Antes de responder, que fique claro que estamos falando sobre eleições municipais futuras. Abuso de poder econômico e abuso de poder político invalidaram muitas chapas e há diversos precedentes. As fake news foram um fenômeno das últimas eleições. O mundo inteiro está estudando maneiras de enfrentar esse problema. As eleições americanas tiveram esse problema. O plebiscito sobre Brexit teve esse problema. As eleições na Índia enfrentaram esse problema. De modo que as fake news estão sendo objeto de equacionamento pela legislação e pelo Poder Judiciário de diferentes países.

Gilberto Costa – Repórter da Agência Brasil - Brasília

sexta-feira, 5 de junho de 2020

Nova fase de abertura do comércio deve atingir 92% dos empregados de Belo Horizonte

Foto: Gabriel Rezende/Rádio Itatiaia 
Mesmo com flexibilização, secretário municipal de saúde pede que população siga se cuidando

Flexibilização do isolamento social na capital vai reativar 92% dos empregos na cidade

O secretário de Saúde de Belo Horizonte, Jackson Machado, declarou na tarde desta sexta-feira (5) que que a nova fase da flexibilização do isolamento social na capital vai reativar 92% dos empregos na cidade.

A declaração foi dada na sede da Prefeitura de Belo Horizonte durante a divulgação dos detalhes da segunda etapa de reabertura do comércio da capital.

Machado explicou o método usado para se chegar a essa porcentagem de empregos reativados na cidade. “Trabalhamos sempre no sentido de evitar que a curva de casos ultrapasse a curva de oferta de serviços de saúde. É mais uma ideia de manter o mesmo princípio, sempre pensando no menor impacto que a circulação de pessoas vai trazer para a cidade. Mas sabemos que com essa onda que vai começar agora 92% dos empregos de Belo Horizonte estarão ativos a partir de segunda-feira”, garantiu.

Sobre o impacto que a primeira etapa de abertura do comércio provocou, o secretário de saúde diz que foi relativamente pequeno. “Nós observamos um aumento médio nas passagens de circulação de ônibus durante o dia de 7,9%. Cerca de 30 mil pessoas voltaram às suas atividades comerciais naquela época. Foi um impacto pequeno o número nos ônibus aumentou, mas o número médio de passageiros em cada viagem caiu. Era 34 antes da abertura e após ela foi para 32”, detalhou Machado.

Ao falar que mesmo com a flexibilização as pessoas devem seguir se cuidando, o secretário ainda fez coro ao prefeito Alexandre Kalil.

“Flexibilizar significa sim uma exposição maior ao vírus. Temos visto pessoas fazendo atividades físicas sem máscara por aí. Por exemplo, na avenida Bandeirantes e na Lagoa Seca, vejo pessoas se exercitando e cuidando da saúde, pensando no coração, na pressão, no corpo. Mas o que me impressiona é que essas pessoas não se preocupa em não pegar a Covi-d19 ao fazer a atividade sem máscara. É um comportamento até suicida. Eu fico em dúvida se é um comportamento suicida ou, como disse o prefeito, um comportamento idiota”, exaltou o secretário.

Por fim, o secretário orienta a população a se cuidar. “é importante que as pessoas continuem não saindo caso não seja algo essencial, é importante continuar a usar máscara, é importante seguir higienizando as mãos”, pediu o secretário.

Rádio Itatiaia

Vereador da cidade de Ipatinga testa positivo para o novo coronavírus

Foto: Câmara Municipal de Ipatinga/Divulgação
O quadro de saúde do parlamentar é estável e não há previsão para alta hospitalar

O vereador Nilson Teixeira de Morais (MDB), conhecido como “Nilson da Transnil”, da cidade de Ipatinga, no Vale do Aço, no interior do Estado, testou positivo para o novo coronavírus.

De acordo com a Câmara Municipal de Ipatinga, o parlamentar está internado desde o dia primeiro de junho no Hospital Márcio Cunha. Ele foi submetido a uma ressonância magnética e ficou constatado infecção nos pulmões. O quadro de saúde de Nilson da Transnil é estável e não há previsão para alta hospitalar.

A esposa dele também foi positivada para a Covid-19, mas teve melhora no quadro clínico e deve receber alta nos próximos dias.

A cidade tem 370 casos confirmados do novo coronavírus. Desses, 192 já estão curados, 153 em isolamento domiciliar e 19 internados. O município tem seis mortes confirmadas pela doença.

Rádio Itatiaia

Hospital de retaguarda em Ipatinga já poderá ser usado na próxima segunda-feira (8)

Foto: Ascom/PMI
O hospital de retaguarda de Ipatinga para fortalecer a rede de saúde da microrregião em meio à pandemia do Coronavírus já estará disponível para uso, se necessário, na próxima segunda-feira (8). De início, a unidade contará com 40 leitos clínicos, sendo que, havendo demanda para atendimento, outros 160 podem ser montados, chegando a um total de 200. Foram feitas adequações na Escola Canuta Rosa, nas proximidades do Hospital Municipal, e toda a parte elétrica e hidráulica também já está concluída. Macas e outros instrumentos também foram montados no local.

Cláudia Barbosa, enfermeira do município, deu detalhes sobre a unidade. “Esses leitos são para Enfermaria, pacientes com Covid mais estáveis, sem complicações. Por 24 horas, teremos uma equipe com médico, técnico e enfermeiro, fazendo o acompanhamento de pessoas que requeiram internação. Entre os equipamentos, dispomos de balas de oxigênio para eventuais complicações. Temos ainda estrutura para realizar o transporte, se necessário, para o Hospital Municipal, ao lado da unidade de retaguarda”, explicou.

O hospital foi apoiado por cidades da microrregião de Ipatinga com a disponibilização de instrumentos. Os recursos federais destinados ao combate da pandemia estão sendo usados, sobretudo, para a contratação de pessoal, num momento em que também as equipes técnicas são escassas. Todo acompanhamento de gastos pode ser feito pelo cidadão no endereço eletrônico da Prefeitura Municipal de Ipatinga: www.ipatinga.gov.mg.br.

PMI

MG: "Pode vir uma 2ª onda e situação se tornar incontrolável", admite Zema

Foto: Pedro Gontijo/Imprensa MG
O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), admitiu hoje que uma segunda onda de contaminação pelo coronavírus no estado poderia ser trágica.

Zema reforçou sua preocupação ao fazer um apelo para que a população continue cumprindo medidas de distanciamento social, mesmo com a retomada das atividades econômicas em vigor em grande parte do território mineiro.

"Todo cuidado é pouco. Eu sempre tenho alertado que quem pode manter o isolamento que mantenha, o distanciamento, e os cuidados de higiene porque já vimos que pode vir uma segunda onda e a situação se tornar incontrolável. Estamos acompanhando com lupa para que nada saia do controle", afirmou o governador em entrevista à CNN Brasil. Zema lembrou que o seu governo não tem controlado diretamente o fechamento nem a abertura das atividades. O estado criou o projeto Minas Consciente para dar as diretrizes e protocolos recomendados neste momento da epidemia e deixa a responsabilidade a cargo dos municípios.

"Desde que passamos pelo pior, depois do isolamento, eu tomei a decisão de deixar a decisão do que abrir e quando abrir a cargo dos prefeitos. Temos aqui o Minas Consciente, que são os protocolos. Aquilo que é uma atividade normal, sem grande risco, já está funcionando", disse. "O prefeito sabe muito melhor que eu qual é a realidade da cidade dele." A capital Belo Horizonte, por exemplo, ainda segue com restrições mais rígidas de funcionamento do comércio e é esperado que uma reabertura se inicie apenas na próxima semana.

"Temos 50% ainda das cidades de Minas que não tiveram sequer um caso confirmado, e você tratar de modo genérico situações diferentes não seria adequado. Daí estamos dando essa autonomia e tem funcionado", argumentou o governador mineiro. Zema reconheceu que já existem cidades com aumento de casos nos últimos dias. Nesse caso, o governador não descarta um recuo na reabertura das atividades e até a possibilidade de decretar um lockdown mais rígido.

"O Vale do Aço teve e nos preocupa muito um grande crescimento de casos nos últimos dez dias. Todos os prefeitos da região e os secretários de Saúde já estão alertados. Caso essa curva não mude, não descartamos ter algo do tipo como um lockdown lá naquela região. Vale lembrar que serão situações pontuais, eventuais", concluiu.

UOL - São Paulo

Cruzeiro encaminha venda do zagueiro Edu ao Athletico-PR por cerca de R$ 3 milhões

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro  - Edu (detalhe)
Jovem de 19 anos fez três partidas pelo profissional da Raposa, que manterá 15% dos direitos do zagueiro; Furacão ficará com 70% e assina por quatro temporadas

O técnico Enderson Moreira dificilmente terá o zagueiro Edu à disposição quando os campeonatos forem retomados no Brasil. O jovem, revelado na base do Cruzeiro, está muito próximo de ter a venda ao Athletico-PR oficializada pela diretoria cruzeirense. A negociação de 70% dos direitos do jogador acontece por 500 mil euros (em torno de R$ 3 milhões). O clube mineiro permanecerá com 15% para uma futura negociação - detinha 85% ao todo.

Edu chega em Curitiba já nesta sexta-feira e assinará contrato por quatro temporadas. A informação sobre as negociações encaminhadas entre mineiros e paranaenses foi divulgada pela Rádio 98FM e confirmada pelo GloboEsporte.com.

Edu chegou aos profissionais da Raposa no ano passado, mas só fez a estreia este ano. Foram três jogos no time principal, todos como volante.

Com o elenco encorpado pelas contratações de Marllon, Ramón e Jean e a reintegração de Ariel Cabral, Edu perdeu espaço na zaga e também no meio de campo. Na contramão disso, o Athletico-PR negociou recentemente o zagueiro Robson Bambu com o Nice, da França, por mais de R$ 40 milhões, além de ter perdido Léo Pereira para o Flamengo, no início do ano.

A venda de Edu para o Athletico-PR ajudará o Cruzeiro a quitar os débitos com jogadores e comissão técnica do profissional. Atualmente, apenas as férias estão em atraso, mas a folha referente ao mês de maio vence nesta sexta-feira, e o presidente Sérgio Santos Rodrigues deu indícios de que quitará as dívidas somente na próxima semana.

Caso a venda de Edu ao Athletico-PR seja concretizada, Enderson Moreira passará a ter cinco zagueiros à disposição: Léo, Cacá, Arthur, Marllon e Ramón. Dedé ainda pertence ao clube, mas se recupera de lesão no joelho diretoria e ainda não aceitou uma redução salarial para fazer parte do elenco quando retornar.

Repórter Gabriel Duarte - Globo Esporte

Atlético pretende lançar "portal da transparência" em setembro

Foto: Bruno Cantini/Atlético/Divulgação
O Atlético pretende lançar o seu portal de transparência em setembro. O clube vai armazenar todas as informações financeiras e deixará tudo disponível para apreciação de torcedores e conselheiros.

O Superesportes apurou que a ideia era lançar o portal em junho ou julho. No entanto, o clube adiou esse lançamento em função da quantidade de documentos e arquivos que precisam ser compilados.

“O Atlético que vem aí é um Atlético transparente, que não vai esconder nada de ninguém. Os números estarão em nosso portal de transferência. O clube vai ser auditado em todos os setores, não vai ter segredo para ninguém”, disse o presidente Sérgio Sette Câmara.

O mandatário afirmou que até mesmo os valores de negociações estarão no portal de transparência. De acordo com Sette Câmara, as transações serão sigilosas até a assinatura dos contratos, quando o clube poderá mostrar todos os valores aos torcedores.

“É claro que existe segredos de negócios, quando você tem que fazer alguma contratação. Não vamos falar como é. Mas, depois de feita, vai estar tudo lá, quanto se pagou, quanto tem que pagar, o que o clube tem de dívida, o que estamos fazendo para poder melhorar. Essa é uma obrigação nossa, deixar tudo às claras para o nosso conselho e para a torcida atleticana”, completou.

Na última semana, o presidente Sérgio Sette Câmara explicou o endividamento do Atlético uma carta aberta a conselheiros, torcedores e patrocinadores. No documento, o mandatário disse que, atualmente, o valor líquido da dívida é de R$ 656 milhões.

O presidente afirmou também que contratou uma auditoria da Kroll para avaliar sua gestão e também as gestões anteriores no Atlético. O objetivo é tentar entender como o clube aumentou suas dívidas nos últimos anos.

MG Superesportes

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Em Itambacuri: Idosa de 90 anos vence a covid-19

Foto: Divulgação/Hospital Nossa Senhora dos Anjos 
Uma idosa de 90 anos que havia sido diagnosticada com o novo coronavírus recebeu alta hospitalar nesta quarta-feira (3) em Itambacuri (MG). Dona Belarmina ficou internada no Hospital Nossa Senhora dos Anjos por dez dias e, ao sair da unidade, foi aplaudida por funcionários e profissionais da saúde.

De acordo com a neta Eliane Gomes, a avó é hipertensa, cardíaca e tem Parkison. Além das comorbidades, a idosa tem um histórico de quatro AVC’s.

Para os médicos, minha vó Bela, desafiou a medicina. Ela renasceu como uma fênix; os médicos disseram que a situação dela era gravíssima, relata.
Eliane ainda diz que o hospital solicitou que a idosa fosse para a UTI, mas na hora da transferência ela surpreendeu os médicos e apresentou uma melhora em seu quadro clínico.

A neta afirma que acompanhou a avó até a internação e disse que deixá-la no hospital foi muito sofrimento, mas foi revigorante vê-la recuperada. "Ela é nosso alicerce", completa.

G1 dos Vales

Ipatinga inicia funcionamento de 4 barreiras sanitárias; confira locais

Foto: Prefeitura de Ipatinga 
Ação visa aferir a temperatura corporal e as condições de saúde da população que necessita de circular na cidade, mas não irá bloquear a entrada e saída de pessoas.

Quatro barreiras sanitárias começam a funcionar a partir desta quinta-feira (4) em pontos de entrada e saída de Ipatinga (MG). O objetivo da Prefeitura é combater o avanço do novo coronavírus no município.

Nelas, as equipes técnicas estão conferindo a temperatura e as condições de saúde das pessoas que moram em outras cidades e que precisam circular dentro de Ipatinga. Os veículos também passam por uma higienização.

As barreiras estão montadas nos seguintes pontos:

bairro Caravelas

divisa entre os bairros Bethânia e Industrial

divisa entre os bairros Veneza e Cidade Nova

divisa entre os bairros Amaro Lanari e Bom Retiro

Conforme a administração municipal, a ação, que conta com o apoio da Polícia Militar, não irá bloquear a entrada e saída de pessoas do município.

Covid-19 em Ipatinga

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado nessa quarta-feira (3), o município tem 26 leitos de UTI ocupados dos 30 disponíveis para Covid-19 pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Já dos 65 leitos de enfermaria, 32 estão ocupados.

Segundo o Executivo, Ipatinga tem 340 casos confirmados da Covid-19, 162 curados, 156 em isolamento domiciliar, 18 internados e quatro óbitos.

G1 dos Vales

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Executivo de Ipatinga expõe a comerciantes a gravidade dos números de coronavírus

Coronavírus Ipatinga
Foto: Ascom/PMI
Em diálogo com empreendedores de diversos segmentos, no final da tarde desta quarta-feira (3), o chefe do Executivo de Ipatinga detalhou as razões de saúde pública que levaram o município a suspender emergencialmente, via decreto, as atividades dos setores não essenciais, em meio à pandemia do coronavírus. A cidade saltou rapidamente de um crescimento diário de 2% na curva epidemiológica de casos para uma média de 18%, atingindo um total de 340 infectados nesta quarta. Mas a principal preocupação é com a possibilidade de um colapso na ocupação dos leitos de UTI, já que ela está momentaneamente em 87% depois de já ter ultrapassado os 100% nos últimos dias.

Conforme a autoridade municipal, “ficamos entre duas situações. Ou fazer uma pausa temporária agora ou enfrentarmos um ‘lockdown’ sem prazo para retomada do funcionamento dos estabelecimentos, nas próximas duas semanas. No dia 10 de junho, os números serão reavaliados pelo Comitê Gestor de Crise”, reiterou.

Vídeo do Estado

Para dar maior transparência aos argumentos, durante a reunião com os comerciantes - que estavam acompanhados de líderes da Associação Comercial (Aciapi) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) - o Executivo reproduziu o vídeo de uma entrevista atual concedida pelo chefe de Gabinete da Secretaria Estadual de Saúde, João de Pinho, em que atesta a gravidade do quadro de contágio por Covid-19 em Ipatinga e região. Nela, a autoridade sugere que os municípios registrem sua adesão ao programa ‘Minas Consciente’ como providência mais urgente e necessária. Contudo, Ipatinga entende que esse é um remédio ainda mais amargo para os comerciantes, porque entrariam na chamada Onda Verde, em que as restrições são ainda maiores, com o hipotético fechamento ininterrupto das lojas por 30 ou 40 dias futuros.

Foi citada durante a reunião, uma vez mais, a dificuldade de todos em adquirir respiradores para equipar leitos de UTI. O próprio Estado acena com a possibilidade de fornecer um total de 1.000 equipamentos aos municípios, mas somente a partir de agosto. Três respiradores que foram encaminhados a Ipatinga pelo governo de Minas, nos últimos dias, vieram sem um componente indispensável para o funcionamento, o que inviabilizou seu aproveitamento imediato. Assim, foi adquirido o acessório para que eles pudessem ser colocados em atividade.

Os comerciantes apresentaram na reunião o quadro de extrema dificuldade a que muitos têm sido levados diante da impossibilidade de abrirem suas portas, mas reconheceram a seriedade como as autoridades municipais têm tratado do problema da pandemia.

Embora as autoridades do município compreendam que os comerciantes não são os culpados pelo avanço das contaminações e também reconheçam o quanto todos têm sido colaborativos, procurando obedecer à risca as normas sanitárias estabelecidas, foi ressaltado durante o encontro que, com o comércio inteiramente aberto, as aglomerações têm sido inevitáveis nas ruas e também nos veículos de transporte coletivo e pontos de ônibus. Quanto aos setores essenciais que permanecem em atividade, o município procura fiscalizar ao máximo, impondo pesadas multas para as infrações, esperando que haja sensibilidade e compreensão de todos quanto à gravidade da doença. Trata-se de algo tão complexo que nem mesmo os infectologistas são consensuais em suas avaliações.

Altíssimo risco

De acordo com os especialistas, quando um município apresenta um total de 200 casos de coronavírus por milhão de habitantes ele se encontra numa situação de Risco Moderado. Com 300 casos, nesta mesma relação, o quadro evolui para Risco Alto. Com mais de 400 casos/milhão de habitantes, chega-se ao Risco Muito Alto e, acima de 750 casos, recomenda-se o ‘lockdown’, em que só permanecem abertos supermercados e farmácias.

Conforme análise feita em cima dos números apresentados por Ipatinga, Coronel Fabriciano, Timóteo e Santana do Paraíso, a região já atinge uma relação de 1.098 casos por milhão de habitantes, sendo que em Ipatinga a relação projetada já é de 1.227 casos por milhão. Por este mesmo critério, a situação mais grave é a de Santana do Paraíso, com projeção de 2.028 casos/milhão. O cálculo atual para Coronel Fabriciano é de 945 casos/milhão e, para Timóteo, de 611 casos/milhão.

Ainda conforme números divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde, mais da metade dos leitos de UTI/COVID/SUS de Ipatinga estavam ocupados nesta quarta-feira por moradores locais, sendo os demais de cidades como Mesquita, Governador Valadares, Coronel Fabriciano, Timóteo, Belo Oriente, São João do Oriente, Ipaba e Dom Cavati, entre outros.

PMI

Independiente Del Valle anuncia venda do volante Alan Franco para o Atlético-MG

Volante assina com o Galo
Foto: Independiente Del Valle/Divulgação
Volante vai assinar com o Galo por quatro anos, segundo clube equatoriano

O Independiente Del Valle anunciou, em suas redes sociais, a venda do volante Alan Franco para o Atlético-MG. O jogador vai passar por exames médicos e assinar contrato de quatro anos com o Galo, que foi procurado pela reportagem, mas não se pronunciou até a publicação.

"Alan Franco assina por 4 anos com Atlético e realizará os respectivos exames médicos. #IDV mantém 35% dos direitos esportivos", diz a postagem.

O clube desejou sucesso ao atleta na nova caminhada:

“Que todas as coisas boas o sigam, o encontrem e fiquem com você, faz parte do processo. Boa sorte, Alan, neste novo desafio! Cuidem dele, Atlético”.

Alan Franco, volante equatoriano de 21 anos, atende os "requisitos" exigidos por Jorge Sampaoli. Já foi elogiado pelo diretor de futebol Alexandre Mattos, que destacou o estilo de jogo moderno, qualidade técnica, força e juventude.

O Atlético tem também um acerto com o Goiás pelo volante Léo Sena. O time goiano já anunciou que o Galo irá pagar R$ 4 milhões por 80% dos direitos federativos do atleta de 24 anos.

Globo Esporte

Mais experiente, goleiro Lucas França ressalta a satisfação em voltar ao Cruzeiro



Revelado pelas divisões de base cinco estrelas, o goleiro Lucas França enalteceu a sua volta ao Cruzeiro, após quase dois anos emprestado para Nacional, de Portugal, e Ceará. Reintegrado ao grupo da Raposa na segunda-feira, o atleta chega mais experiente e com mais rodagem para ajudar o Cruzeiro a ter uma grande temporada.

“Fui formado no Cruzeiro e para mim é gratificante voltar para a minha casa, voltar para o meu lar, onde eu me sinto à vontade. É um motivo de muita felicidade, muita alegria estar de volta, representando esta camisa, representando esta nação, com mais experiência, mais rodagem”, comentou.

Lucas França, que disputou quatro partidas pelo time profissional da Raposa, ressaltou ainda o fato de voltar a trabalhar com o amigo Fábio e com o técnico Enderson Moreira.

“Desde 2011, quando eu cheguei (às divisões de base), o Fábio era a inspiração para todos os goleiros e poder subir para os profissionais e trabalhar com ele é gratificante demais. Longos anos de amizade, de parceria, de aprendizado, de experiência. O Fábio é meu padrinho de casamento, então, o ciclo nosso de amizade é muito bom e a cada dia eu aprendo mais com ele, dentro e fora de campo", disse ele.

“Já o Enderson Moreira eu tive duas passagens com ele no Ceará. O trabalho dele e da comissão técnica é muito intenso, dinâmico. Ele sempre busca tirar o máximo de cada jogador, é um professor, sempre que precisa ele explica o que acha melhor, para que os jogadores possam evoluir a cada dia. Fizemos bons trabalhos no Ceará e agora está sendo gratificante também trabalhar com ele novamente, aqui no Cruzeiro”, completou.

Site Oficial

Nota do Cruzeiro com relação ao volante Jean: jogador testou positivo para covid-19

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro
NOTA OFICIAL

O Cruzeiro Esporte Clube informa que o atleta Jean testou positivo para o exame de Covid-19, em exames realizados nesta nova série de testes para a detecção do novo coronavírus.

O volante, que está assintomático, foi afastado das atividades, não participou do treinamento desta quarta-feira, na Toca da Raposa 2, e vem adotando as orientações de isolamento social em sua residência.

Jean, como os demais atletas, seguem o protocolo de segurança implantado pelo Departamento Médico do Cruzeiro e não mantém nenhum contato com outros jogadores e membros da comissão técnica durante as atividades no centro de treinamentos do futebol profissional do Cruzeiro.

terça-feira, 2 de junho de 2020

Comércio de Santana do Paraíso será fechado a partir desta quarta-feira

Santana do Paraíso terá o comércio fechado novamente a partir de quarta-feira
Foto: Divulgação
O comércio considerado não essencial será fechado a partir desta quarta-feira (3), em Santana do Paraíso. A decisão do fechamento do comércio foi tomada na tarde desta terça-feira (2), após uma reunião com o Comitê de Gerenciamento de Crise do município. O decreto de número 938 vai vigorar até o dia 10 de junho.

Apenas vai funcionar o comércio de caráter essencial como supermercados, açougues, farmácias, casa de ração, padarias e outros segmentos.

Conforme o texto, os estabelecimentos que tiverem suas atividades suspensas poderão realizar serviços internos, visando a realização de transações comerciais por meio de aplicativos, internet ou telefone, com a adoção de serviços de entrega, conhecido como “delivery”.

O decreto ressalta que na véspera do término do prazo, será feita uma avaliação se o comércio permanece fechado ou não. O descumprimento das exigências estabelecidas poderá resultar em penalidades.

SUPERMERCADOS E HIPERMERCADOS

O decreto de número 939, também publicado nesta terça (2), obriga que os supermercados e hipermercados de Santana do Paraíso adotem medidas de precaução para evitar a aglomeração de pessoas.

Conforme a medida, os estabelecimentos devem disponibilizar um funcionário para organizar, fiscalizar as filas dos caixas e orientar os clientes a cumprirem a distância mínima de um metro e meio dos outros; o piso deverá ter demarcações. Cabe aos comércios também colocarem dois colaboradores em cada entrada para o controle de clientes.

O decreto ainda obriga que tais comércios não permitam a entrada de clientes que não estiverem de máscara e proibir a entrada de mais de uma pessoa da mesma família ao mesmo tempo.

Os estabelecimentos devem continuar a disponibilizar álcool em 70% em todos os caixas, açougues e demais locais; sabão em líquido e papel toalha nos sanitários; fornecer equipamentos necessários para os seus funcionários e realizar a higienização dos carrinhos e cestas de compras durante o expediente e após serem utilizados pelos clientes.

Os demais segmentos de gêneros alimentícios deverão observar as exigências e determinações estabelecidas no decreto de número 907, de 31 de março de 2020.

Se os supermercados e hipermercados descumprirem as normas, tais sofrerão penalidades.

A fiscalização será intensificada para acompanhar se os comércios vão seguir as determinações.

PMSP

Bolsonaro dá 'graças a Deus' por Moro ter saído do governo e diz que ex-ministro seguia 'outra ideologia'

Bolsonaro e Sérgio Moro
Fotos: Carolina Antunes e Marcos Corrêa/PR - Bolsonaro e Sérgio Moro (detalhe)
Presidente disse ainda que ex-ministro foi 'covarde' na reunião interministerial do dia 22 de abril. Em resposta, Moro disse que quem parte para 'ofensa pessoal' não tem razão nem argumentos. 

O presidente Jair Bolsonaro disse para apoiadores nesta segunda-feira (1º) que "graças a Deus" o governo ficou "livre" do ex-ministro da Justiça Sergio Moro. Bolsonaro afirmou ainda que Moro foi "covarde" durante a reunião interministerial do dia 22 de abril. Bolsonaro mencionou o fato de que, na opinião dele, Moro vinha tomando atitudes que contrariavam a ideologia do governo. Ele citou como exemplo a portaria, assinada pelo então ministro, que previa detenção de pessoas que não cumprissem regras de isolamento social. "Por isso que naquela reunião secreta o Moro, de forma covarde, ficou calado. Então é isso que estava acontecendo. Ele queria ainda uma portaria depois que multasse quem estivesse na rua. Esse era o cara que estava lá, perfeitamente alinhado com outra ideologia que não era a nossa. Graças a Deus ficamos livre dele", afirmou o presidente. Moro, que se demitiu do governo em abril, divulgou uma resposta ao presidente em sua conta no Twitter. 

O ex-ministro disse que quem parte para "ofensa pessoal" não tem razão nem argumentos. "Sobre a ofensa pessoal feita, meu entendimento segue de que quem utiliza desse recurso é porque não tem razão ou argumentos", escreveu Moro (leia ao final desta reportagem íntegra de nota divulgada pelo ex-ministro). A reunião interministerial a que Bolsonaro se referiu ocorreu dois dias antes de Moro pedir demissão. O ex-ministro apontou o conteúdo da reunião como prova de que Bolsonaro interferiu politicamente na Polícia Federal. A gravação do encontro foi tornada pública pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do inquérito que investiga a denúncia de Moro. O vídeo mostra que Moro ficou calado a maior parte do tempo, enquanto Bolsonaro e outros ministros aproveitaram a reunião para fazer ataques à imprensa, a outros poderes da República e a governadores e prefeitos que adotaram medidas de isolamento social contra a pandemia do coronavírus. 

Portaria sobre regras de isolamento 

Na resposta à declaração do presidente, Moro explicou o motivo de ter editado a portaria que previa regras no cumprimento do isolamento social durante a pandemia, entre elas a possibilidade de detenção de quem desobedecesse a ordem de não ir para a rua. O texto havia sido assinado por Moro e por Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde. Na semana passada, foi revogado pelos sucessores de ambos nas pastas, André Luiz Mendonça (Justiça) e Eduardo Pazuello (Saúde). "[A portaria] apenas esclarecia a legislação e deixava muito claro que a prisão era medida muito excepcional e dirigida principalmente aquele que, ciente de estar infectado, não cumpria isolamento ou quarentena", disse Moro. 

Nota de Moro 

Leia abaixo a íntegra de nota divulgada nesta segunda-feira (1º) pelo ex-ministro Sergio Moro: 

NOTA: Sobre as declarações do Presidente no Alvorada sobre minha gestão no MJSP, presto os seguintes esclarecimentos: 1 -As medidas de isolamento e quarentena são necessárias para conter a pandemia do coronavírus e salvar vidas. Devem, certamente, ser acompanhadas de medidas para salvar empregos, renda e empresas. Sempre defendi que as medidas deviam ser aplicadas mediante diálogo e convencimento. Mas a legislação prevê como um recurso excepcional a prisão, conforme art. 268 do Código Penal. A Portaria Interministerial n.º 5 sobre medidas de isolamento e quarentena, por mim editada junto com o Ministro Mandetta, apenas esclarecia a legislação e deixava muito claro que a prisão era medida muito excepcional e dirigida principalmente aquele que, ciente de estar infectado, não cumpria isolamento ou quarentena. 

Durante minha gestão como Ministro da Justiça e Segurança Pública, dialoguei com os Secretários de Segurança dos Estados e do DF para evitar ao máximo o uso da prisão como sanção ao descumprimento de isolamento e quarentena, inclusive isso foi objeto expresso de reunião por videoconferência com os Secretários de Segurança no próprio 22/04/2020. Acredito em construir políticas públicas mediante diálogo e cooperação, como deve ser, de nada adiantando ofensas ou bravatas. 

2 - Sobre políticas de flexibilização de posse e porte de armas, são medidas que podem ser legitimamente discutidas, mas não se pode pretender, como desejava o Presidente, que sejam utilizadas para promover espécie de rebelião armada contra medidas sanitárias impostas por Governadores e Prefeitos, nem sendo igualmente recomendável que mecanismos de controle e rastreamento do uso dessas armas e munições sejam simplesmente revogados, já que há risco de desvio do armamento destinado à proteção do cidadão comum para beneficiar criminosos. A revogação pura e simples desses mecanismos de controle não é medida responsável. 3 - Sobre a ofensa pessoal feita, meu entendimento segue de que quem utiliza desse recurso é porque não tem razão ou argumentos. 

 Curitiba, 01 de junho de 2020. Sergio Fernando Moro

G1 

Torcidas do Cruzeiro dão o recado em posse de presidente: "juntos reconstruiremos o gigante"

Torcida do Cruzeiro dão o recado
Foto: Conselho Azul/Divulgação
Os trabalhos do Conselho Gestor no Cruzeiro terminaram e, concomitantemente, o novo presidente Sérgio Santos Rodrigues assume nesta segunda-feira (1º) para dar sequência ao trabalho de reconstrução da Raposa. E o "Conselho Azul", formado pelas principais torcidas organizadas do clube, deixou um recado na fachada da sede administrativa celeste: "Juntos reconstruiremos o Gigante".

A frase foi escrita em uma faixa em azul e branco que foi afixada em cima do letreiro que ostenta o nome do prédio administrativo do Cruzeiro. Máfia Azul, Torcida Fanaticruz (TFC), Torcida Jovem, Cachazeiros, Geral Celeste e China Azul assinam a manifestação.

Dilacerado por más gestões anteriores, sofrendo um golpe forte e certeiro em suas finanças durante o período em que Wagner Pires de Sá comandou o clube, o Cruzeiro precisará de muito trabalho do novo presidentes, Sérgio Santos Rodrigues, e do auxílio dos próprios torcedores.

Em entrevista exclusiva ao Hoje em Dia, Rodrigues ressaltou que sua missão na cadeira presidencial não será fácil. “É muito grande a dificuldade de assumir o clube na atual situação, mas eu sempre discordei das palavras inviabilidade, falência, insolvência. Quando ninguém acreditava que poderiam ser resolvidos alguns problemas urgentes que a gente tinha, mesmo antes da posse, resolvemos. À medida que vamos expondo nossos projetos, mostrando coisas diferentes que queremos fazer, isso nos faz acreditar que é possível sair dessas dificuldades”, afirmou Sérgio, que ressalta a importância da torcida nesse processo de reconstrução.

“Eu sempre falo que o Cruzeiro só sairá do buraco se os 9 milhões de torcedores abraçarem o time e contribuírem para sua ressurreição”, garantiu.

Hoje em Dia

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Tardelli espera time intenso sob o comando de Sampaoli

Tardelli
Divulgação
Para o atacante Diego Tardelli, pelo alto nível de exigência do técnico Jorge Sampaoli nos treinamentos, o Atlético será uma equipe bastante intensa sob o comando do treinador argentino.

“Os treinos são bem puxados. O Sampaoli exige muito da gente nos treinamentos, são treinos curtos, mas, ao mesmo tempo, longos pela exigência dentro de campo. Então, para a gente está sendo muito bom porque vamos usar isso nos jogos, o que ele vem pedindo para nós aqui. Com certeza, a gente vai fazer isso nos jogos, com intensidade, volume alto de jogo”, disse.

O elenco alvinegro treinou na manhã desta segunda-feira (1/6), na Cidade do Galo, dividido em dois grupos: um com zagueiros e laterais e outro com meio-campistas e atacantes.

“A gente não consegue poupar aqui não, com o Sampaoli. Ele exige todos os dias, os seis dias que a gente treina são com bastante intensidade mesmo, é difícil poupar com ele”, acrescentou Tardelli, que disse estar treinando no comando do ataque.

“A função que venho treinando é praticamente essa posição, o Jorge está me usando dentro de campo como uma referência. Não é o que gosto, ficar parado ali na frente, ser aquela opção. Todos que me conhecem sabem o tanto que gosto de me movimentar bastante. Mas, com o Jorge, está sendo diferente. Então, ele quer que eu fique ali naquela posição e espero me adaptar o mais rápido possível para fazer essa função que ele está pedindo. Mas é tranquilo, já joguei em outros clubes nessa posição e, agora, não será diferente”, comentou.

Diego Tardelli acredita que a paralisação do futebol teve, para ele, um aspecto positivo, em relação à parte física.

“Por um lado, foi bom para mim, para adquirir a parte física, fortalecimento que preciso, alguns ajustes no meu corpo, que preciso muito. Então, por um lado, foi bom, mas eu não esperava que seria esse tanto de tempo. Mas faz parte. Por enquanto, vou me adaptando, fortalecendo, e ficar preparado para estar bem quando começarem os jogos”, destacou.

“Está sendo, praticamente, uma mini pré-temporada. A gente sabe o quanto é difícil uma pré-temporada e a gente fica na expectativa das coisas mudarem, que os jogos possam voltar e o mundo possa voltar normalmente. Estamos na expectativa e, enquanto isso, a gente vai aprimorando, treinando, conhecendo mais o Jorge, os trabalhos dele. Também vai ser importante para a gente o entrosamento dentro de campo, para que seja a cara do Jorge Sampaoli este ano”, concluiu o atacante.

Site oficial

Goleiro está de volta ao Cruzeiro

Goleiro
Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro
O goleiro Lucas França, que tinha contrato por empréstimo com o Ceará até o final do mês anterior, foi reintegrado, nesta segunda-feira, ao grupo de jogadores do Cruzeiro Esporte Clube.

Revelado pelas divisões de base cinco estrelas, o atleta está à disposição do técnico Enderson Moreira, que também conta para a posição com Fábio, Vitor Eudes e Vinícius.

Lucas França já participou das atividades na manhã desta segunda-feira, na Toca da Raposa 2, seguindo todas as medidas preventivas de segurança, higienização e distanciamento.

Os treinos, que estão sendo realizados em dois horários, tiveram os grupos de atletas invertidos nesta semana. Aqueles que treinaram a partir de 9h na semana passada começarão as atividades às 10h15, e os demais, que treinaram no segundo horário, iniciarão as atividades às 9h nesta semana.

Site oficial

Cruzeiro: Posse de Sérgio Santos Rodrigues, novo presidente do clube

Cruzeiro
Foto: Igor Sales/Cruzeiro
Tomou posse na manhã desta segunda-feira, em cerimônia realizada na Sede Administrativa, o novo presidente do Cruzeiro Esporte Clube, que comandará a Raposa até o dia 31 de dezembro de 2020. O presidente Sérgio Santos Rodrigues, 38° mandatário na história da instituição, assinou o termo de posse ao lado do 1º vice-presidente Lidson Potsch Magalhães e o 2º vice-presidente Biagio Teodoro Peluso. Mais do que uma solenidade oficial, esta segunda-feira marca o início de uma nova era no Clube cinco estrelas.

“Começamos oficialmente os trabalhos no Cruzeiro. Digo que oficialmente pois desde a última semana toda a nossa equipe já estava aqui ao lado do Dalai (então presidente interino) e do Conselho Gestor, que nos deram todo o espaço necessário para que iniciássemos a nossa atuação. Estamos muito animados e a Nação Azul sabe que estou realizando um grande sonho. Vamos trabalhar firme, que a torcida venha conosco e que todos possamos dar as mãos para construirmos um novo Cruzeiro. Só vamos superar as dificuldades com a ajuda de todos, em paz, unidos e sempre buscando o melhor para o Clube”, enfatizou Sérgio Santos Rodrigues.

Passando o bastão da presidência a Sérgio Santos Rodrigues, o agora ex-presidente José Dalai Rocha lembrou das dificuldades enfrentadas nos últimos meses e acredita que o novo mandatário terá totais condições para conduzir o Clube.

“De 23 de dezembro até a data de hoje fizemos uma caminhada, que cronologicamente não foi tão longa, mas que emocionalmente foi muito grande, muito profunda e muito difícil. Tivemos grandes desafios neste período. Pegamos um navio sem rumo e graças à cooperação de todos colocamos esse navio em águas menos turbulentas. Entregamos agora a direção ao novo presidente, desejando que conduza seus trabalhos com serenidade, inteligência e responsabilidade. Todos nós desejamos o melhor ao nosso Cruzeiro, que aos poucos vai ressurgindo”, sinalizou.

Site oficial

Prefeitura de Governador Valadares confirma mais duas mortes e 10 casos de Covid-19


Governador Valadares
Divulgação
De acordo com a prefeitura, dos óbitos trata-se de dois homens de 66 e 81 anos. Já os dez novos casos, trata-se de sete homens com idade entre 20 e 80 anos ou mais e três mulheres entre 30 e 80 anos ou mais.

A Prefeitura de Governador Valadares confirmou nesta segunda-feira (1°) mais dois óbitos por Covid-19. Com isso, a cidade tem 14 mortes pela doença.

Além disso, outros 10 pacientes também testaram positivo para o novo coronavírus. Com os novos diagnósticos, o município soma 203 casos confirmados.

De acordo com o Executivo, dos óbitos, trata-se de dois homens de 66 e 81 anos, com comorbidades. Já os 10 novos casos, trata-se de sete homens com idade entre 20 e 80 anos ou mais e três mulheres entre 30 e 80 anos ou mais.

Dos 193 casos, 129 foram curados da Covid-19, 47 estão em isolamento domiciliar e 13 internados, sendo 10 na UTI e três em enfermaria. O município ainda tem 285 casos suspeitos em investigação.

G1 dos Vales

Prefeitura de Santana do Paraíso confirma Covid-19 em criança de 1 ano e mais seis pessoas

Santana do Paraíso
Divulgação
De acordo com o boletim epidemiológico, o município tem 63 infectados. Desses, seis pacientes estão internados.

Mais sete casos do novo coronavírus foram confirmados nesta segunda-feira (1°), em Santana do Paraíso. A prefeitura informou que os pacientes estão sendo monitorados por uma equipe da Vigilância Epidemiológica.

De acordo com o Executivo, trata-se de três mulheres com 33, 37 e 42 anos, uma criança do sexo feminino de um ano e três homens com 29, 31, e 44. Todos os novos pacientes estão em isolamento domiciliar.

Segundo o boletim, o município contabiliza 63 casos. Desse total, 15 pessoas foram curadas e duas mortes confirmadas. A prefeitura ainda investiga 158 casos suspeitos, incluindo um óbito.

G1 dos Vales

Cruzeiro na Justiça: agente cobra R$ 2,3 milhões por comissões; veja outros litígios com empresários

Cruzeiro
Eduardo Uram: agente move dois processos contra o Cruzeiro, por meio da empresa Brazil Soccer — Foto: Jamira Furlani/Avaí FC
Eduardo Uram move ação contra o clube por conta de transferências de Willian Bigode e Egídio - ele e Cruzeiro fizeram acordo num terceiro processo envolvendo o atacante Rafael Marques

O Cruzeiro tem um novo presidente, Sérgio Santos Rodrigues, que toma posse nesta segunda-feira. O eleito herdará um clube em fase de reconstrução, envolvido em investigações criminais e com dívidas urgentes a serem pagas, como as da Fifa. Outra situação a ser resolvida, que engloba problemas financeiros e administrativos de gestões passadas, é débitos com empresários da bola. Há várias ações na Justiça, sendo que um mesmo agente moveu três processos contra o clube celeste. Um acabou em acordo, mas os outros dois somam R$ 2,3 milhões cobrados.

O empresário Eduardo Uram, por meio da sua empresa - Brazil Soccer - foi responsável por intermediar três transferências de jogadores ao Cruzeiro em diferentes momentos. Em 2013, ajudou a trazer o atacante Willian Bigode (hoje no Palmeiras) junto ao Metalist, da Ucrânia. Primeiro por empréstimo de um ano, depois de maneira definitiva. Uram cobrava três diferentes tipos de comissão, num total de R$ 1.446.003,99. Em julho de 2018, o agente ingressou com ação ordinária no TJMG, com valor de causa de R$ 1.624.293,67 (multas e juros). No decorrer da discussão, os valores sofreram correções e atualizações até chegar a R$ 2.101.986,90 (contando honorários) em setembro de 2019. Um ano após o início desta ação, o Cruzeiro entrou com embargos à execução da dívida relativa à contratação de Willian. 

Os argumentos principais utilizados pelos advogados celestes foram que o contrato firmado entre Cruzeiro e Uram de reconhecimento a dívida - "Instrumento Particular de Consolidação de Dívidas e Assunção de Obrigações" - foi assinado por Gilvan de Pinho Tavares em 23 de outubro de 2017, quando Wagner Pires de Sá havia sido eleito (mas não empossado) e, assim, tal pacto não havia sido analisado pela comissão de transição instaurada no Barro Preto. Além disso, a defesa celeste alega que os contratos de comissão foram assinados pelo então diretor de futebol Alexandre Mattos (hoje no Atlético-MG), sendo que ele não teria autoridade para tal ato, segundo o estatuto do Cruzeiro, o que anularia os contratos. A briga segue na Justiça, com despacho último do juiz responsável em março de 2020. 

Mais R$ 730 mil 

Outra operação na qual Eduardo Uram esteve presente foi a volta do lateral-esquerdo Egídio ao Cruzeiro, em dezembro de 2017. O clube teria firmado contrato de R$ 600 mil ao agente, a título de comissão. O acordo seria de 10 parcelas de R$ 60 mil entre abril de 2018 e janeiro de 2019. Uram alega que não recebeu nenhum pagamento e pleiteia a quitação da dívida em R$ 730 mil. Esta ação é a mais recente, tendo sido distribuída na 36ª Vara Cível de Belo Horizonte em fevereiro de 2020. Na petição, os advogados do empresário pedem que o Cruzeiro seja condenado e solicitam penhora de valores do clube, incluindo recebimento de direitos televisivos. Em 14 de abril, a Justiça determinou intimação ao clube mineiro para que acerte o pagamento ao credor em até três dias, com possibilidade de o réu entrar com embargos. Não houve mais movimentação da ação desde então. Além de Egídio e Willian Bigode, Eduardo Uram também era credor do Cruzeiro em R$ 173 mil por comissões não recebidas da chegada do atacante Rafael Marques à Toca II em 2017. O acordo previa comissões de R$ 200 mil, com o Cruzeiro tendo pago parte do acertado. A discussão judicial terminou em acordo homologado, no qual a Raposa pagou a dívida em nove parcelas entre março e novembro de 2019. No decorrer da ação, o clube chegou a ofertar três veículos de sua frota - Saveiro 2008, um Linea 2011 e uma Santa Fe 2016 - como garantia de pagamento. Em contato com a reportagem na última sexta-feira, Eduardo Uram disse que não tinha como se manifestar sobre as ações, "tento em vista que não tenho em mãos os dados inerentes à essas reclamatórias". 

Outros agentes credores 

Além de Eduardo Uram, outros empresários do futebol entraram em litígio com o Cruzeiro. O GloboEsporte.com identificou diversas ações na Justiça de Minas Gerais nais quais a Raposa é ré de agentes - isso sem contar processos movidos na Câmara Nacional de Resoluções de Disputas. Uma situação resolvida foi com Giuliano Bertolucci. Ele cobrava R$ 1,71 milhão por comissão da chegada do lateral-esquerdo Bryan. Houve acordo de nove parcelas de R$ 190 mil a contar de abril de 2020. Outro megaempresário da bola que cobra o Cruzeiro na Justiça é André Cury. Antes tratado como "persona non grata" pelo conselho gestor por causa das ações trabalhistas dos jogadores David e Enderson (resolvidas), Cury acionou o Cruzeiro em novembro de 2019 por R$ 320 mil de comissão não pagos no contrato de imagem do zagueiro equatoriano Caicedo. 

A última atualização foi de audiência de conciliação adiada em março, por causa da pandemia. Discussões em aberto são do agente Adriano Spadoto por conta da mesma transferência de Bryan - R$ R$ 67.375,00 de valor de causa em ação de 2019. A empresa Sun Sports acionou o Cruzeiro cobrando R$ 1.879.892,34 relativos à transferência do volante Fabrício em 2008 (ela conseguiu bloqueio dos valores na Justiça em 2019, segundo nota do UOL Esporte). A GT Sports também aciona o clube mineiro, cobrando R$ 206.565,85 por conta de não repasse de valores por direitos econômicos da saída do volante Souza ao Japão. A empresa alega ter direito a 20% de uma transação que teria acontecido por US$ 250 milhões, segundo os autos. A GR2 Esportes cobra R$ 434.795,20 de comissão pela renovação contratual do meia-atacante Robinho. O agente Rogério Messias processa o Cruzeiro com relação à transferência do lateral Fabiano. 

Ele chegou a pedir intimação ao Flamengo para depósito em juízo de R$ 800 mil pela compra de Arrascaeta. Em despacho de março de 2020, o juiz escreveu que "foi efetuado o depósito judicial pelo Clube de Regatas do Flamengo". A venda do zagueiro Bruno Viana ao Olympiacos da Grécia também gerou processo contra o Cruzeiro, movido pela empresa D. de Souza Machado Novaes. A situação, entretanto, teve não pagamento de custos pelo autor e foi encerrada em discussão de 1º grau ainda em 2019. Já a J.R.C. Servicos Profissionais aciona o clube celeste judicialmente para receber R$ 300 mil. A empresa alega que foi a descobridora do meia-atacante Bernardo, promessa das categorias do Cruzeiro e que foi vendido posteriormente ao Vasco da Gama em 2012. O Cruzeiro foi condenado em primeira instância, mas não reconhece a dívida e coube recurso.

Globo Esporte 

domingo, 31 de maio de 2020

O que esperar do esporte de alto rendimento após a pandemia?

Futebol e pandemia
Foto: Futblog do Sorriso 
A pandemia do novo coronavírus (covid-19) obrigou a humanidade a parar. A parar, repensar e mudar vários aspectos da vida. Diante de um vírus que se espalha com muita facilidade, um novo normal começa a se estabeler a partir de alguns princípios: restrições de movimentação, menor interação social e cuidados extremos de higiene. No mundo do esporte de alto rendimento não é diferente. Grandes eventos, como os Jogos Olímpicos, a Copa América, a Eurocopa e campeonatos nacionais de futebol, tiveram de ser adiados ou cancelados enquanto se pensa em formas de realizá-los com segurança. E é para tentar imaginar as mudanças que a prática esportiva de alto rendimento sofrerá em um futuro próximo que a Agência Brasil conversou com dois pesquisadores que tem o universo do esporte como seu objeto de estudo, o sociólogo e professor da Faculdade de Comunicação Social da Universidade do Rio de Janeiro (Uerj) Ronaldo Helal e o professor da Escola de Ciências Sociais/FGV-CPDOC Bernardo Buarque de Hollanda. 

Jogos sem a presença de torcedores 

Um dos elementos que mais chama a atenção no novo normal do esporte de alto rendimento é a ausência de torcedores em praças esportivas. Segundo Ronaldo, diante de um vírus novo e com contágio muito rápido, não dá para ser diferente. No Campeonato Alemão, por exemplo, esta mudança fica bem evidente: “Com jogos com portões fechados e os jogadores sem se abraçarem na comemoração dos gols. E também fazendo testes regulares. Esta é a mudança que é possível no momento”. Bernardo também aponta o Alemão como o campeonato a ser observado, pois é a primeira das principais competições nacionais do Velho Continente a reiniciar após a pandemia, mas afirma que a realização das partidas sem a presença de torcidas não vai servir para todos os clubes, mas apenas para aqueles que estão na “vitrine do futebol mundial […], tendo exibição e alcance planetário”. No entendimento do pesquisador, estes conseguem, minimamente, “contornar o atual momento” com as receitas provenientes de transmissões televisivas. 

Ronaldo diz que a primeira mudança causada pela ausência de torcedores nos estádios é percebida na performance dos atletas: “Você perde muito. Um espetáculo de massa, sem a massa. Mesmo transmitido pela televisão. É o mesmo que um teatro vazio. A tendência dos atores é não ter uma performance tão motivada por adrenalina como tem com a presença do público. Isso pode acontecer também no caso do futebol, sem o incentivo da torcida. Mas é o que se pode fazer no momento. Não sabemos quanto tempo vai durar. Acho que o público não vai se sentir nem satisfeito, nem insatisfeito, mas acho que vai entender que isso é o que é possível fazer no momento”. Porém, em suas observações Bernardo identifica grupos que não receberam bem esta nova forma de consumir o futebol: “É interessante que, no caso da Europa, algumas torcidas organizadas estão promovendo campanhas contra a volta dos campeonatos. Partem da ideia de que, se não vai ter torcida, é melhor não ter futebol”. Em meio a tantas incertezas, e pensando na realidade brasileira, o pesquisador da FGV afirma que “é muito pouco provável que aconteça algum campeonato com a presença do público no Brasil em 2020”. 

Disputa e torcida à distância 

 Para o esporte brasileiro, que ainda está pensando em formas de retorno aos treinos, imaginar formas alternativas de torcer ainda parece algo distante. Mas na Dinamarca esta já é uma realidade. O campeonato nacional do país europeu optou por “levar” a torcida ao estádio através de telões instalados nas arquibancadas nos quais os jogadores veem imagens dos torcedores transmitidas por aplicativos de teleconferência. Para Bernardo, em um contexto de agravamento da pandemia, as novas tecnologias não devem se restringir ao ato de torcer, mas também podem ser usadas para permitir que atletas que estejam em locais diferentes possam competir entre si: “Estamos em um ponto de inflexão em que paradigmas são repensados […]. Até que ponto podem ser criadas formas de cobrir performances esportivas nas quais as pessoas não estejam presentes? Isto pode ser especulado. Os atletas não estarão no mesmo locus presencialmente, mas você pode criar formas de competição filmada. Soa absurdo e especulativo hoje, mas de fato ainda estamos em um momento nebuloso no qual não conseguimos discernir o que acontecerá adiante”. 

Jogos para celebrar a humanidade 

 Um dos paradigmas que pode vir a ser questionado caso a pandemia perdure por um período de tempo muito longo é o da realização de grandes eventos esportivos no atual formato. “O formato tradicional de um encontro a cada quatro anos, que reúne todos [os atletas] no mesmo local, com vila olímpica, pode ter de ser refeito […]. Entendo que, assim como todas as áreas estão se adaptando, pode ser que muitas coisas no âmbito do esporte que sejam consideradas imprescindíveis, das quais não se abre mão, sejam reinventadas”, diz o pesquisador da FGV. Mas algo que os dois pesquisadores afirmam torcer para não mudar, quando se fala em grandes eventos esportivos, é que eles continuem a ser entendidos como momentos de celebração da humanidade. 

“Entendo também [assim como o presidente do Comitê Olímpico Internacional, o alemão Thomas Bach] a ideia dos Jogos como uma celebração da humanidade após a pandemia. Tomara que sejam vistos desta maneira mesmo. Porque há uma metáfora nos Jogos Olímpicos de uma união entre nações. O esporte proporciona um pouco isso. De as regras serem as mesmas para todos, que o melhor vence pelos seus méritos. Se superarmos esta pandemia, se já tivermos uma vacina, e espero que sim, espero que seja uma grande celebração da humanidade [os Jogos de Tóquio], da vida após a pandemia, de união entre as nações e povos”, conclui Ronaldo. 

Agência Brasil