A mais completa cobertura. O blog campeão absoluto de visualizações. SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS NO FACEBOOK, YOUTUBE, INSTAGRAM E TWITTER. ACESSE NOSSO SITE: www.futblogdosorriso.com.br

sexta-feira, 4 de março de 2022

Morre a autora oficial do hino da cidade de Ipatinga, Dona Bizuca

Divulgação

O prefeito de Ipatinga, Gustavo Nunes, publicou mensagem de homenagem póstuma à família em suas redes sociais e decretou luto oficial da três dias no município, a partir desta sexta-feira (4), pela morte, aos 89 anos de idade, da educadora Maria Weber de Oliveira, a Dona Bizuca. “Professora e diretora escolar pioneira em nosso município, autora do hino oficial da nossa cidade, ela deixa um rico legado cultural reconhecido por várias gerações. Sua memória está eternizada na história local”, destacou o chefe do Executivo.

Por decisão da família, o velório de Dona Bizuca foi marcado para o período de 14h às 17h, no Funeral Hall (avenida Zita de Oliveira, nº 190), sendo o sepultamento confirmado para as 17h, no Cemitério da Paz, no Veneza II.

Maria Weber de Oliveira, a Dona Bizuca, nasceu em Santana do Paraíso-MG, em 21 de dezembro de 1932. Filha de Pedro Soares de Oliveira e Ana de Oliveira, casou-se com Anatólio de Oliveira Barbosa (que hoje dá nome a uma avenida no bairro Limoeiro) em julho de 1953 e tiveram oito filhos: Geisa, Aaron, Alano, Kívia, Ronan, Suzel, Damon e Kiona. O marido faleceu em um acidente de carro, em 1995, quando o casal vinha de Vitória-ES.

Dona Bizuca é filha de Pedro Soares de Oliveira e Ana de Oliveira. Seu pai foi proprietário da Fazenda Barra Grande. Após a morte da mulher, Pedro vendeu-a para Selim José de Salles, que a denominou Fazenda Bethânia. A extensão original da propriedade corresponde a grande parte da atual área urbana de Ipatinga em uma de suas regiões mais populosas.

Bizuca e Anatólio moraram primeiramente no distrito de Barra Alegre e depois no Centro da cidade.

Em 1957, quando Maria Weber chegou a Ipatinga, havia apenas quatro professoras. Além dela, Maria Antonieta, Ana Passos e Dona Lili. Começou a dar aulas onde era o antigo Posto Bonanza, na casa de Dona Maria Antonieta, que foi transformada em escola; na época, havia uma única sala ali. Uma turma aprendia leitura de manhã, outra à tarde. Não havia carteiras. Cada aluno tinha que levar o seu banquinho.

Posteriormente, Dona Maria Antonieta se mudou e a casa foi reformada para receber quatro turmas. Entre seus alunos figuraram vários pioneiros como os filhos de João Valentim Pascoal, José Sales, Lurdinha e Arcanjo Evangelista Pascoal; José Edélcio e Taquinho Drummond Alves, filhos de Raimundo Anício; Zita de Oliveira, filhos de José Orozimbo, etc.

Escola Manoel Izídio

Dona Bizuca foi também uma das fundadoras e diretora da “Escola Manoel Izídio”, o primeiro educandário do Centro de Ipatinga. Eram quatro turmas. Uma na antiga Fazendinha do sr. Manoel Izidio, onde depois funcionou o Colégio Assedipa; três turmas na Estação Velha (hoje Estação Memória).

Uma turma funcionou também por três anos na garagem de sua casa (sem cobrança de aluguel), até que fosse construído prédio definitivo na avenida João Valentim Pascoal.

Hino de Ipatinga

Dona Bizuca escreveu a letra do “Hino de Ipatinga” para a solenidade de posse do interventor Délio Baeta, que assumiu a administração de Ipatinga logo após a sua emancipação. A música foi composta por Ana Letro.

HINO DE IPATINGA

Eu amo as manhãs douradas,
As manhãs cheias de luz.
As noites enluaradas,
Sob as bênçãos de uma cruz.
As Campinas verdejantes
Os ventos a soluçar...
Os rios soberbos, gigantes,
Pelas várzeas a serpejar.

Salve cidade ditosa,
Salve terra senhoril,
Jóias raras, preciosas,
No coração do Brasil!

Eu amo as largas estradas,
Serpentes a rastejar;
Os outeiros, as chapas,
Florestas a murmurar.
A gente brava que guarda
Pensamento senhoril
Do índio, do bandeirante
Para a glória do Brasil!

Amo o Colosso gigante
Desperto no seio de Minas
Erguido em massa possante
Na grandiosa USIMINAS.
Amo o teu nome Ipatinga,
Transportado ao Oriente,
Levando a nossa história
Ao País do Sol Nascente!

Do progresso subiremos
Esta imensa espiral;
Com orgulho ostentaremos
Um nobre e puro ideal!
Salve terra dadivosa
Voltada aos céus divinais;
Estrelas raras, formosas,
Fulgindo em Minas Gerais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.