Avião cai no Bairro Caiçara, em Belo Horizonte

Reprodução
Estado de Minas

Uma aeronave caiu sobre três carros no Bairro Caiçara, Região Noroeste de Belo Horizonte, na manhã desta segunda-feira (21). Segundo o corpo de bombeiros, a queda, que ocorreu na Rua Minerva, no trecho situado entre as ruas Nadir e Rosinha Sigaud, deixou ao menos três mortos e três feridos. O avião de pequeno porte modelo SR 20 Cirrus Design havia acabado de decolar do Aeroporto Carlos Prates, tripulado pelo piloto e três passageiros.

De acordo com o coronel Erlon Botelho, chefe do Estado-Maior do Corpo de Bombeiros, um dos mortos estava dentro do avião e os outros dois estariam um em um carro estacionado e na calçada.Ainda segundo o coronel, o piloto estaria entre os sobreviventes. "Quando chegamos ao local, nos deparamos com um incêndio. Existe a suspeita de que uma das vítimas seja um pedestre. Um dos mortos era ocupante de um dos carros. Os demais veículos estavam vazios. Os três feridos já foram devidamente medicados e socorridos em hospitais da região metropolitana”, explicou o militar.

O coronel disse ainda que uma equipe do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), no Rio de Janeiro, já está a caminho de Belo Horizonte. Segundo apurou o Estado de Minas, o monomotor tinha sido vendido e o piloto estava indo entregá-lo em Ilhéus, na Bahia. Os passageiros estavam de carona na viagem.

A caminho do local do acidente, a reportagem flagrou o momento em que dois carros da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) passaram por um grupo de moradores, que gritaram que o aeroporto Carlos Prates precisa ser fechado. Vários pontos próximos às ruas Minerva, Rosinha Sigaud e Nadir estão interditados. Na academia próxima ao local, apenas o fornecimento de energia elétrica foi comprometido. O imóvel deve ser vitoriado pela Defesa Civil.

Pânico

Morador da Rua Minerva há 45 anos, o aposentado Antônio Aderilton, de 75, viveu momentos de pânico dentro de casa. “Eu estava na mesa do café quando ouvi o barulho. Saímos correndo muito assustados, eu e minha esposa. Pensamos que fosse um posto de gasolina que tivesse estourado. Foi um barulho completamente diferente do que estamos acostumados a ouvir”, contou.

O casal saiu da residência pra ver o que havia ocorrido, mas foi surpreendido pelas chamas, que os impediram de se aproximar mais. Ele lembrou dos outros acidentes ocorridos na região e falou da sorte que tiveram. “Tinha acabado de fazer uma oração pedindo a proteção divina e foi o que aconteceu, Ele me deu essa proteção. Jamais passei tamanho susto”, comentou.

A advogada Maria Elisa Silva de 59 anos, que mora na Rua Francisco Bicalho, paralela à Minerva, convive angustiada com os pousos e decolagens das aeronaves, que segundo ela, sobrevoam sua casa a uma altura muito baixa. Ela que já vivenciou a queda do avião de pequeno porte em abril deste mesmo ano, conta que para os moradores do bairro, o drama é diário. “ Isso aí é uma tragédia que vai acontecer todo dia, todos os dias esses aviões passam muito baixo, já fiz contato com a Infraero e não tomam providência e é desesperador porque a gente fica esperando quando e onde vai ser a próxima queda. Na minha casa todos estão com muito medo, o bairro é residencial e não comporta esses aviões, eu já liguei já conversei e eles pedem para filmar, vamos ter que filmar quando cai, é absurdo", relata.

Dardanya Oliveira, 32 anos, é dona de um dos carros atingidos pelo avião que caiu no Bairro Caiçara, Região Noroeste de Belo Horizonte. Ela trabalha como educadora física em uma academia na rua onde o acidente ocorreu e contou o que viu. Assista:



Histórico
A rua Minerva, no Bairro Caiçara, foi palco de outro acidente envolvendo uma avião em 13 de abril deste ano. Na ocasião, a aeronave de modelo francês Socata ST-10 Diplomate bateu em um poste, nas proximidades do número 405, em meio a dezenas de moradias. A colisão deixou um morto - o médico Francisco Fabiano Gontijo, de 47 anos, instrutor de voo e experiente piloto. Carbonizado, o corpo teve que ser identificado pelo IML por meio de exames de arcada dentária e impressão digital.

A queda arrastou parte da fiação da via, que ficou interditada por dois dias. O episódio deixou moradores e comerciantes apreensivos. Como se não bastassem as aeronaves que passam rasantes sobre casas, apartamentos e pontos de comércio, a apreensão da comunidade local se intensifica quanto às condições das máquinas que sobrevoam a localidade, diante da constatação de que o monomotor que caiu, fabricado em 1971, cruzava os céus no último sábado com a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) vencida desde janeiro.

Infraero se pronuncia

A Infraero, responsável pela operação do Aeroporto Carlos Pratos divulgou uma nota sobre o acidente. Segundo a empresa, o terminal obedece os requisitos de segurança. Leia na íntegra:

“A Infraero lamenta o acidente, às 8h30 desta segunda-feira (21/10), com a aeronave Cirrus SR 20, prefixo PR-ETJ, que vitimou três pessoas e deixou outras três feridas, instantes após a decolagem do Aeroporto Carlos Prates (MG) para o Aeroporto de Ilhéus (BA). A empresa destaca que, ao ser acionada, mobilizou toda estrutura de emergência e socorro que atende ao aeroporto. Sobre as causas do acidente e demais detalhes sobre o operador da aeronave, sugerimos o contato com o Centro Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) e com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A Infraero destaca ainda que o Aeroporto Carlos Prates opera dentro de requisitos de segurança estabelecidos nas normas da aviação civil brasileira.”

Postar um comentário

0 Comentários