Hulk brilha, Atlético supera América de Cáli e vence 1ª na Libertadores

Atlético/Divulgação

Em pouco tempo, o futebol é capaz de transformar trajetórias, modificar papéis e criar heróis. Pivô de um desentendimento com o técnico Cuca no último fim de semana, o atacante Hulk foi reserva nesta terça-feira de Copa Libertadores. No segundo tempo, brilhou no gramado do Mineirão e marcou os gols do Atlético na vitória por 2 a 1 sobre o América de Cáli-COL, pela segunda rodada do Grupo H. Luis Sánchez descontou para os visitantes, que esboçaram uma pressão nos minutos finais, mas não conseguiram o empate.

Com a vitória, o Atlético chega a quatro pontos e assume, ainda que provisoriamente, a liderança da chave. Zerado, o América de Cáli-COL amarga a lanterna e vê a pressão sobre o técnico Juan Cruz Real aumentar.

A vice-liderança do grupo é do Cerro Porteño-PAR, que soma três pontos. O terceiro colocado é o Deportivo La Guaira-VEN, com um. Paraguaios e venezuelanos se enfrentam nesta quarta-feira, às 19h, em Assunção.

As equipes voltam a campo para a terceira rodada no meio da próxima semana. O Atlético recebe o Cerro Porteño-PAR na terça-feira, a partir das 19h15, no Mineirão. Na quinta, Deportivo La Guaira-VEN e América de Cáli-COL se enfrentam às 23h, no Estádio Olímpico da Universidade Central da Venezuela, em Caracas.

Antes do próximo compromisso pela Libertadores, o time alvinegro tem pela frente a primeira partida da semifinal do Campeonato Mineiro, contra o Tombense. A bola rola às 16h30 deste sábado, no Independência, com mando da equipe de Tombos.

Pressão ineficiente

Ainda suspenso por conta da expulsão na final da última Libertadores, o técnico Cuca armou um Atlético mais “leve” para a primeira partida em casa nesta edição do torneio. Matías Zaracho entrou no lugar de Allan, em alteração que recuou Tchê Tchê para a função de primeiro volante. Na linha defensiva, outras duas mudanças: Mariano e Igor Rabello substituíram Guga e Réver, respectivamente.

A metade inicial do primeiro tempo foi de muito estudo e pouca agressividade. A proposta ofensiva alvinegra passou a ter resultados depois dos 25 minutos. Muito acionado, Keno monopolizou as ações verticais dos donos da casa e chegou a levar perigo em uma finalização de média distância, mas errou a maioria das coisas que tentou. Na direita, Nacho Fernández foi o mais participativo e formou uma dupla promissora com Zaracho.

Com mais posse de bola (56%), o Atlético ocupou o campo adversário, esboçou uma pressão e acertou a trave em duas oportunidades. Mas faltou caprichar mais nas finalizações (apenas uma de Keno, das 12 do time, foi na direção do gol). Defensivamente, o time nada sofreu com a proposta de contragolpes do América de Cáli-COL. Os zeros persistiram até o apito final da primeira etapa.

Domínio vira vitória

No intervalo, Hulk entrou no lugar de Eduardo Vargas para atuar como centroavante. E o volume ofensivo do Atlético seguiu alto na retomada para o segundo tempo. Logo aos 8 minutos, Zaracho, um dos destaques do time, sentiu dores no tornozelo após levar um pisão do companheiro Igor Rabello e deixou o jogo para a entrada de Nathan.

No primeiro lance em campo, o meia tabelou com Nacho e deu lindo passe para Hulk, que invadiu a área e foi derrubado pelo goleiro Graterol. Na cobrança do pênalti, o ex-atacante da Seleção Brasileira abriu o placar, aos 13’: 1 a 0.

A estrela de Hulk brilhou novamente menos de cinco minutos depois. Keno lançou Savarino, que avançou em diagonal, invadiu a área e tocou de calcanhar. A bola chegou para o camisa 7 alvinegro finalizar de esquerda e ampliar a vantagem: 2 a 0.

Com a desvantagem, o técnico Juan Cruz Real fez alterações para lançar o América de Cáli-COL ao ataque. A princípio, não deu certo - e o Atlético aparentava ter o jogo sob controle. Aparentava.

Aos 31 minutos, Tchê Tchê falhou e perdeu a posse na intermediária defensiva. Luis Sánchez ficou com a bola, finalizou cruzado de fora da área e diminuiu a desvantagem para 2 a 1.

A partir daí, o ritmo alvinegro caiu. Preocupado com os avanços adversários, a comissão técnica tirou o atacante Savarino para a entrada do lateral-esquerdo Dodô. A precaução do Atlético se transformou em tentativa de pressão do América de Cáli-COL, que arriscava em chutes de fora da área.

Nos minutos finais, Nathan foi expulso após falta dura na intermediária, que originou uma confusão. Passados os desentendimentos, os avanços colombianos não deram resultado efetivo. O Atlético - com auxílio da "cera" nos minutos finais - manteve o resultado e conseguiu a primeira vitória na Libertadores.


ATLÉTICO 2 X 1 AMÉRICA DE CÁLI-COL

Atlético
Everson; Mariano, Igor Rabello, Junior Alonso e Guilherme Arana; Tchê Tchê, Matías Zaracho (Nathan, aos 11’ minutos) e Nacho Fernández (Marrony, aos 45' do 2ºT); Savarino (Dodô, aos 37’ do 2ºT), Keno (Alan Franco, aos 45' do 2ºT) e Eduardo Vargas (Hulk, no intervalo)
Técnico: Cuquinha

América de Cáli-COL
Joel Graterol; Cristian Arrieta, Kevin Andrade, Pablo Ortiz e Héctor Quiñones; Luis Paz, Yesus Cabrera (Rodrigo Ureña, aos 19’ do 2ºT) e Rafael Carrascal (Luis Sánchez, aos 20’ do 2ºT); Guillermo Murillo (Santiago Moreno, aos 8’ do 2ºT), Duván Vergara e Aldair Rodríguez (Dimber Cambindo, aos 19’ do 2ºT)
Técnico: Juan Cruz Real

Motivo: segunda rodada do Grupo H da Copa Libertadores
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data e horário: terça-feira, 27 de abril de 2021, às 19h15 (de Brasília)

Gols: Hulk, aos 13’ e aos 17’ do 2ºT (ATL); Luis Sánchez, aos 31’ do 2ºT (AME)
Cartões amarelos: Junior Alonso, a 1’, Hulk, aos 39’, e Alan Franco, aos 51' do 2ºT (ATL); Carrascal, aos 35’, Kevin Andrade, aos 45’ do 1ºT, e Arrieta, aos 49' do 2ºT (AME)
Cartão vermelho: Nathan, aos 48' do 2ºT (ATL)

Árbitro: Daniel Fedorczuk (URU)
Assistentes: Richard Trinindad (URU) e Martín Soppi (URU)

>> Superesportes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.