Determinante para o Atlético na temporada e com experiência continental de sobra, Jonathan quer levar Furacão a primeiro título sul-americano de sua história

Divulgação

Jogador está motivado 


Nesta quarta-feira (12), o Atlético Paranaense recebe, na Arena da Baixada, o Junior Barranquilla, em confronto válido pela grande final da Copa Sul-Americana de 2018. Após o empate com o time colombiano no primeiro jogo da decisão, o Furacão precisa apenas de uma vitória para levantar o primeiro troféu continental de sua história. Para que isso aconteça, o lateral Jonathan, um dos atletas mais importantes do elenco rubro-negro, quer aproveitar experiência adquirida ao longo da carreira e deposita suas esperanças na boa temporada, na força do grupo atleticano e em seu “amuleto” especial.

Na atual temporada, o camisa 2 tem, cada vez mais, evidenciado o papel fundamental que exerce no clube paranaense. Além da importância que tem no elenco, o lateral contribui, efetivamente, para melhor desempenho de sua equipe quando está em campo, e os números deixam isso claro. No ano, não levando em conta o campeonato estadual, que é disputado pelo Atlético com time alternativo, o Furacão fez 18 jogos sem Jonathan, tendo aproveitamento nada satisfatório de apenas 29,6%. Em contrapartida, com o atleta em campo, a porcentagem de desempenho da equipe não só melhora como atinge mais que o dobro: 64,9%, com 21 vitórias.

Tentando aproveitar a boa fase individual e coletiva, o lateral atleticano se mostra empenhado e com grande ansiedade para o confronto decisivo: “A minha expectativa, assim como a do grupo, é a melhor possível, pelo momento que a gente vem vivendo e pelo trabalho que estamos desenvolvendo. Desde a volta da Copa do Mundo, nossa equipe cresceu muito de produção. Logicamente, a chegada da nova comissão técnica, juntamente com o Tiago, nos deu mais tranquilidade e uma confiança maior, e os próprios números mostram isso, porque o nosso desempenho dentro da Arena é muito bom. Somos merecedores de estar nesta final, assim como o Junior, que, na minha opinião, é o melhor time que enfrentamos ao longo da competição. Será um excelente jogo, mas não podemos nos esquecer que o confronto ainda está em aberto. Não há nada ganho, e, por isso, temos que entrar com muita humildade, respeitando o adversário. Mas também sabemos que dentro de casa somos fortes, então tentaremos impor o nosso ritmo para que possamos sair vitoriosos”, declara o camisa 2 rubro-negro.

Além de contar com ótimos números, Jonathan também será de grande utilidade à equipe comandada por Tiago Nunes em outro aspecto: a experiência. Com passagens por Cruzeiro, Santos e pela gigante mundial Internazionale, além do tradicionalíssimo Parma, ambos da Itália, o lateral conta com uma carreira de dar inveja. Mais que isso, também não falta ao jogador experiência em competições sul-americanas. Ao todo, o camisa 2 já disputou 62 partidas válidas por torneios continentais na América do Sul, chegando à final da Libertadores com o Cruzeiro, em 2009, e sendo campeão com o Santos, em 2011.

“Ao longo da minha carreira, aprendi muitas coisas e ainda continuo aprendendo. Não é por ser experiente que sei tudo; pelo contrário, aprendo muito com os mais jovens. Nesta partida, certamente os anos a mais de carreira vão ajudar, até por eu já ter participado de mais jogos em relação a atletas mais novos, mas a experiência de cada um é sempre muito importante, pois todos viveram coisas únicas no futebol. Já passei por outras decisões grandes, em que os nervos ficam à flor da pele, e estou muito feliz de estar nesta final. É um momento único para nossa equipe e para o nosso torcedor, e a gente espera poder fazer um bom jogo, conquistar um bom resultado, para dar este título à nossa torcida, que tanto merece. Estamos confiantes que faremos uma grande partida e vamos em busca desta taça, pois queremos entrar para a história do Atlético”, enfatiza Jonathan.

Amanhã, às 21h45, a Arena da Baixada verá sair do confronto entre Atlético Paranaense e Junior Barranquilla o campeão da Copa Sul-Americana de 2018. O primeiro duelo, na Colômbia, terminou empatado pelo placar de 1 a 1, o que dá a quem vencer a partida desta quarta o troféu do torneio. Jonathan, que quer adicionar mais uma taça continental à sua prateleira de conquistas, contará com um apoio especial vindo das arquibancadas: “Meu pai e meu irmão estarão presentes, assim como sempre estiveram nos títulos que ganhei na minha carreira. São, sem dúvida, um ‘amuleto’ que carrego nessas grandes decisões, o que me dá ainda mais motivação para correr em busca da vitória. Se Deus quiser, ao final da partida eu estarei comemorando mais uma vez ao lado deles”.

Postar um comentário

0 Comentários