"Não estou em qualquer lugar, estou no Cruzeiro": palavras de Rogério Ceni, novo técnico da equipe

Bruno Haddad / Cruzeiro / Divulgação
Cruzeiro

Rogério Ceni, novo treinador do Cruzeiro, foi apresentado nessa tarde de forma oficial, na Toca da Raposa 2. Diante de uma sala de coletiva de imprensa completamente lotada, o técnico celeste chegou acompanhado do Presidente Wagner Pires de Sá, do diretor de futebol Marcelo Djian, além de outros membros da diretoria e companheiros da comissão técnica.

No início da apresentação, o mandatário celeste falou da chegada do novo treinador, sobre as suas principais características, dentro e fora de campo, além de evidenciar que o seu nome sempre foi o primeiro na lista de todos os envolvidos do Clube nesta escolha.

“Apresentar Rogério Ceni é difícil. Seria como se fôssemos ler um livro muito grosso, com muitas páginas de vitórias, conquistas, seriedade, abnegação, persistência e responsabilidade. Demoraria muito tempo, então eu me limito a agradecer o Rogério por defender as nossas cores, e esperamos que com essa nova camisa a gente consiga colocar mais páginas nesse livro grandioso que você vem escrevendo. Foi uma unanimidade a escolha pelo Rogério, não somente da diretoria, como dos jogadores, da comissão técnica e principalmente desses quase 10 milhões de torcedores que nós representamos”, disse o presidente.

Rogério Ceni agradeceu as palavras do presidente Wagner Pires de Sá, falou da honra de representar um Clube de tamanha grandeza, e principalmente da oportunidade em seu maior desafio da carreira como treinador de futebol.

Palavras do novo treinador celeste na primeira coletiva de imprensa:

As primeiras impressões

“Para mim é uma honra, um orgulho muito grande. Um Clube que enfrentei muitas vezes, me tirou títulos, quem sabe juntos agora possamos vencer o que falta na minha carreira. Agradecer de coração à oportunidade. A camisa é lindíssima, o Clube também, o centro de treinamento também, e eu espero corresponder às expectativas de vocês, e tentar fazer com que o Cruzeiro suba o mais rápido possível na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, que não condiz com o Clube, no momento, onde ele se encontra”.

Oportunidade de conquistas

“É um momento mágico na carreira de qualquer pessoa chegar um clube como o Cruzeiro. Um Clube desse tamanho, recente bicampeão da Copa do Brasil. Temos um jogo contra o Internacional, e é claro que tem dificuldades, mas talvez tenha sido um dos grandes fatores que me motivaram a vir para cá. Não se joga fora o fato de ter a chance de se campeão. Vamos tentar nos reencontrar também no Campeonato Brasileiro. Não é uma coisa que acontecerá rapidamente, pois a rodada é espaçada, mas vamos ter tempo para trabalhar”.

Forma de jogar da equipe

“Justamente o número de treinamentos. Quando você repete muito o treino, você vai automatizando, fazendo o time jogar de uma maneira clara. Temos que tentar mudar aos poucos. A maneira como eu jogo, é uma questão de jeito de jogar. Se os jogadores quiserem comprar a ideia, capacidade eles têm. A ideia é de fazer um time cada vez mais rápido. É o modo que eu vejo o futebol”.

Toca da Raposa 2

“Tive a oportunidade de treinar aqui com o Fortaleza. Conheci só os campos do fundo, gramados fantásticos. Aqui é muito bonito. Não conhecia a estrutura interna. Não imaginava uma estrutura tão boa para se trabalhar. A bola não entra por acaso”.

Motivação

"Estou os conhecendo hoje e vou a primeira vez para o campo. Quero levar a maioria dos jogadores, mesmo aqueles que jogaram no domingo, com exceção dos que estão com cansaço excessivo. Trago transpiração, motivação. Estou começando a carreira de treinador. Ter a oportunidade de trabalhar num clube deste tamanho é sinônimo de energia, de fazer com que as coisas aconteçam, de tentar ajudar os jogadores a desempenharem melhor o futebol. Os protagonistas são eles"

Conversa com o elenco

"O mais importante, e falei para eles agora há pouco, é que eles se sintam bem e felizes. É um paraíso poder trabalhar num centro de treinamento como esse. Eles, a maioria, têm uma história aqui dentro. Quem já foi campeão sabe o caminho. É uma questão de atitude, foco. Quem ganhou uma vez na vida não esquece o sabor. O sabor da vitória é incomparável".

Primeiro encontro com a Nação Azul

"Acho que o que pode fazer diferença nesse jogo é justamente a força da torcida. O tempo de preparação é curto. Os atletas têm o talento individual e o conjunto. Mas o torcedor, sem dúvida nenhuma, é o que pode mover a vencer uma equipe que para mim é uma das mais ajustadas do país"

Proposta do Clube há 20 anos atrás

"Vai fazer 20 anos isso. O goleiro do Cruzeiro era o André. Naquele momento, houve uma possibilidade de negociação, a ida do André para o São Paulo e a minha para o Cruzeiro. Acabou não se concretizando e construí minha carreira como atleta no São Paulo. Hoje, pretendo começar a construir uma história longínqua e vencedora aqui no Cruzeiro".

O passado como rival do Clube

"Fiz gol, mas tomei muitos. Perdi uma Copa do Brasil aqui em 2000. Minha última Libertadores acabou aqui no Mineirão, contra o Cruzeiro em 2015. Eu peguei dois pênaltis, o Fábio também. E um que batemos foi para fora. Também sofri muito com o Cruzeiro. Mais que os gols que fiz, também sofri muito, pelo time grande que é".

Postar um comentário

0 Comentários