Treinador abusou de pelo menos seis crianças em escolinha de futebol de BH, diz polícia

Renata Evangelista / Hoje em Dia 
Hoje em Dia

A Polícia Civil identificou que pelo menos seis crianças e adolescentes foram abusadas sexualmente pelo treinador de futebol de uma escolinha na região da Pampulha, em Belo Horizonte. O crime, conforme a delegada Ana Patrícia Ferreira França, acontecia dentro do campo, no vestiário e em outros locais de um clube no bairro Braúnas, onde as aulas eram ministradas.

Segundo a polícia, o suspeito teria confessado que tocou nos órgãos genitais de uma das vítimas e negou os demais crimes. Entretanto, segundo a delegada, os relatos dos menores indicam que houve, inclusive, conjunção carnal com um dos jovens. Ainda segundo a investigação, para atrair os menores, o suspeito pagava entre R$ 5 a R$ 10, além de usar da influência como treinador.

O homem, que é casado e tem 56 anos, está preso preventivamente. Quando o caso veio à tona, na semana passada, o suspeito já estava sendo investigado pela Polícia Civil. "Poucos dias antes de quatro pais procurarem a Polícia Militar para registrar a ocorrência, a Polícia Civil havia recebido uma denúncia do crime e já tinha iniciado as investigações", contou França.

A investigadora não descarta que o suspeito tenha feito mais vítimas. Por isso, ela pediu que os pais dos jovens que eram alunos do treinador procurem a Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), na avenida Nossa Senhora de Fátima, número 2.175, no bairro Carlos Prates, caso desconfiem de que os filhos possam ter sido abusados pelo homem.

Vítimas

As quatro vítimas que denunciaram os abusos foram ouvidas pela Polícia Civil e, após os depoimentos, a corporação identificou os outros dois adolescentes que também teriam sido molestados.

Segundo os menores, os estupros ocorriam desde setembro de 2018, mas o caso só foi descoberto porque um dos jovens mudou o comportamento dentro de casa. "Uma das vítimas estava mais retraída, chorosa e se negou a ir para o campo de futebol. Os pais conversaram com essa criança, e ela acabou contando os fatos".

Como o caso ainda não foi concluindo, a polícia não sabe desde quando o suspeito estuprava os meninos. "Ainda não identificamos todas as vítimas e pode ser que esses fatos vinham ocorrendo a mais tempo", disse a delegada.

Punição

Conforme a delegada, o suspeito será indiciado por três crimes: estupro de vulnerável, que tem pena de 8 a 15 anos; expor pornografia para menores, com pena de 1 a 3 anos; e assédio sexual, que pode render até dois anos de prisão.

Se condenado a pena máxima por cada crime e por cada vítima identificada até o momento, o treinador poderá pegar até 120 anos de prisão. "Mas a legislação só permite que um condenado cumpra pena por 30 anos", explicou. O suspeito não tinha passagem pela polícia.

França relata ainda que aguarda o laudo pericial dos celulares do suspeito e de um jovem. "Há relatos de que ele mostrava vídeos pornográficos para os menores", contou.

A reportagem do Hoje em Dia não conseguiu contato com a defesa do treinador. O clube onde os abusos sexuais supostamente aconteciam também foi procurado e disse estar consternado com o crime. "Manifesta seu mais veemente repúdio aos lamentáveis acontecimentos. Diante do fato a Associação já está tomando as medidas cabíveis, como a demissão por justa causa do funcionário e a proibição de frequentar as dependências da associação", informou o clube, por nota.

Postar um comentário

0 Comentários