sábado, 6 de abril de 2019

''Não fomos acusados de nada do que os outros foram acusados'', diz Bolsonaro

Foto: Marcos Moura / PR
Acompanhado do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, o presidente demonstrou descontração e brincou algumas vezes ao falar com representantes de jornais e TVs, no Palácio do Planalto

Em encontro com jornalistas, o presidente Jair Bolsonaro faz balanço dos primeiros meses de governo, demonstra desapego ao cargo e diz que "está faltando gestão" no MEC

Brasília – “Presidente, o senhor completa cem dias à frente do governo na próxima semana. Qual foi o dia mais tenso?” Jair Bolsonaro, presidente da República, ri e murmura: “Mais tenso, mais tenso...” Diante do chefe, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, responde, antes de mais um gole do inseparável chimarrão: “A gente paga um preço por estarmos todos aprendendo”.

Durante café da manhã com jornalistas dos principais jornais e tevês do país (e a apresentadora Luciana Gimenez), no terceiro andar do Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro demonstrou descontração. E desapego. Quase no fim do encontro de uma hora, o Estado de Minas quis saber de Sergio Moro, apontado antes das eleições como um dos homens públicos mais populares do país pela atuação na Lava-Jato, se o ministro gostaria de ocupar o único lugar da mesa onde havia uma pequena câmera à frente para registro das falas presidenciais. Antes de o ministro da Justiça responder (“Tem de ser um pouco louco”), Bolsonaro se antecipa e pergunta: “Quer trocar, Moro?”. Risos do ministro, dos jornalistas e do presidente, que complementa: “Eu disse na campanha que, em janeiro, ou estaria aqui nesta cadeira ou na praia. Me dei mal”. Mais risos. (Horas depois, em evento com servidores do Planalto, o presidente chegou a dizer, também em tom de brincadeira: “Não nasci para ser presidente, e sim militar.”)

Além dos titulares da Casa Civil e Justiça, Jair Bolsonaro estava acompanhado de três generais ministros: o porta-voz, Otávio do Rêgo Barros, o secretário-geral da Presidência, Floriano Peixoto, e o chefe do gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno (“Nosso guru”, como definiu Lorenzoni). Bolsonaro revelou que fará, na próxima semana, uma exposição dos pontos que considera mais importantes dos primeiros 100 dias de seu governo. Provocado a eleger a marca do início de seu mandato, ele respondeu: “A transparência”. Fez uma pausa: “Também a escolha de ministros sérios”. Depois de outra pausa, encerrou com uma frase de efeito: “Não fomos acusados de nada do que os outros foram acusados”.

Muitas vezes, durante o café da manhã (água, suco de laranja, pão de queijo, biscoito de queijo e bolo de coco), um ministro complementava as respostas do presidente; se o assunto eram as articulações com o Congresso Nacional, Lorenzoni tomava a iniciativa. Supostas divergências entre os militares no Planalto? Assunto para Heleno comentar. E de forma incisiva: “Tentam criar brigas para nos desunir, mas podem perder a esperança. Somos amigos há 40 anos. Não existe esse troço de ala militar”.

Para o balanço dos 100 dias, porém, foi Sergio Moro quem tomou a palavra para enaltecer uma iniciativa do “mais importante” dos ministérios, na avaliação de Bolsonaro: o da Economia. “O governo apresentou uma reforma consistente da Previdência, e isso não é trivial”, destacou o titular da Justiça, antes de citar o pacote anticrime e outras medidas no âmbito de seu ministério – como a reestruturação das equipes da Polícia Federal e da Lava-Jato que, segundo Moro, “nos bastidores, ia se esvaziando”.

O presidente parecia bem à vontade durante o encontro com jornalistas. Brincou na hora de fazer fotos com o grupo reunido: “Vocês vão se queimar, hein?”. Respondeu tudo que lhe foi perguntado. Ou quase tudo. Silenciou apenas depois da seguinte questão: “O senhor está satisfeito com o desempenho do ministro Vélez?”. Mas deu pistas em relação ao destino do titular do MEC. “É uma boa pessoa, de coração grande, muito bom pra conversar. Mas não tá dando certo. Tá faltando gestão. Até segunda-feira isso vai estar resolvido.”

Jogo rápido

Redes sociais 1

“O que sai lá é de minha responsabilidade. Quem tem a senha eu tenho confiança”

Redes sociais 2

“O que o meu filho posta é responsabilidade dele. Agora, redes sociais é liberdade total. Ali não é na canela, é do pescoço pra baixo”

BNDES

“Cobrei do (Joaquim, ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff) Levy transparência total no BNDES. O que foi feito no passado tem que se tornar público”

Encontros com líderes partidários
“Não se falou a palavra ‘cargo’. Ninguém pediu cargo. E os encontros foram muito positivos: até com o Alckmin, que me deu umas caneladas durante a campanha (eleitoral). Caneladas, não; foram agulhadas, mesmo”

Paulo Guedes
“O ministro mais importante do momento é o da Economia”

Toma lá dá cá
“Não tem isso. O que acontece é que muitas vezes os parlamentares têm pedidos simples, como verificar o andamento de um determinado processo, e isso não tem problema de se fazer”

Situação do MEC
“Tá faltando gestão. Quem vai decidir sou eu. Tá decidido”

Economia
“Já falei que eu não entendo de economia. Mas quem afundou o Brasil foram os economistas, não fui eu”

(Estado de Minas)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

SIGA O FUTBLOG DO SORRISO NO FACEBOOK